Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.953,90
    +411,95 (+0,42%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.743,15
    +218,70 (+0,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    108,46
    +2,70 (+2,55%)
     
  • OURO

    1.812,90
    +5,60 (+0,31%)
     
  • BTC-USD

    19.242,10
    -32,74 (-0,17%)
     
  • CMC Crypto 200

    420,84
    +0,70 (+0,17%)
     
  • S&P500

    3.825,33
    +39,95 (+1,06%)
     
  • DOW JONES

    31.097,26
    +321,83 (+1,05%)
     
  • FTSE

    7.168,65
    -0,63 (-0,01%)
     
  • HANG SENG

    21.859,79
    -137,10 (-0,62%)
     
  • NIKKEI

    25.935,62
    -457,42 (-1,73%)
     
  • NASDAQ

    11.610,50
    +81,00 (+0,70%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5587
    +0,0531 (+0,96%)
     

OMS define síndrome de Burnout como doença do trabalho a partir de 2022

·1 min de leitura

A Organização Mundial da Saúde (OMS) vai oficializar a síndrome de Burnout como “estresse crônico de trabalho que não foi administrado com sucesso”. A nova classificação desse transtorno (CID 11) entra em vigor a partir do dia 1º de janeiro de 2022.

Apesar da mudança, a síndrome de Burnout continua sendo considerada um problema na saúde mental e um quadro psiquiátrico. Além do Burnout, o CID 11 também engloba o estresse pós-traumático, distúrbio em games e resistência antimicrobiana.

A OMS se baseou em estatísticas para alterar a classificação da doença, e anunciou a novidade durante uma conferência, em meados de 2019. Ainda assim, o documento (que visa reconhecer doenças no mundo de acordo com as mesmas definições e códigos) entra em vigor apenas três anos depois. Na ocasião, a organização definiu a doença a partir de três aspectos:

  • Sensação de esgotamento

  • Sentimentos negativos relacionados a seu trabalho

  • Eficácia profissional reduzida

O que muda na síndrome de Burnout?

OMS define síndrome de Burnout como doença do trabalho a partir de 2022 (Imagem: Farknot/Envato)
OMS define síndrome de Burnout como doença do trabalho a partir de 2022 (Imagem: Farknot/Envato)

A nova classificação estreita as relações entre a síndrome de Burnout e o ambiente de trabalho. Na prática, a empresa se torna diretamente responsável pela saúde mental dos funcionários. Os especialistas reconhecem que a mudança deve impactar os processos trabalhistas, por exemplo. Antes, o transtorno dizia respeito apenas ao trabalhador. Resumidamente, agora, a culpa passa a ser da empresa.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos