Mercado fechado
  • BOVESPA

    125.052,78
    -1.093,88 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,45
    +27,94 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,17
    +0,26 (+0,36%)
     
  • OURO

    1.802,10
    -3,30 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    33.775,12
    +1.348,87 (+4,16%)
     
  • CMC Crypto 200

    786,33
    -7,40 (-0,93%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,20 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    27.321,98
    -401,86 (-1,45%)
     
  • NIKKEI

    27.548,00
    +159,80 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.091,25
    +162,75 (+1,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1216
    +0,0014 (+0,02%)
     

OMS: China deve cooperar mais com investigação sobre origem da covid-19

·2 minuto de leitura
Imagem fornecida pela OMS mostra o diretor-geral da organização, Tedros Adhanom Ghebreyesus

A China deve cooperar mais com a investigação sobre as origens da pandemia da covid-19, cujos primeiros casos foram detectados em Wuhan em dezembro de 2019 - declarou o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, nesta quinta-feira (15).

"Esperamos que haja uma melhor cooperação para sabermos o que realmente aconteceu", disse Tedros, em coletiva de imprensa em Genebra.

"O primeiro problema é o compartilhamento dos dados brutos, e eu falei, desde a conclusão da primeira fase da investigação, que esse problema tinha que ser resolvido. E o segundo é que houve uma tentativa prematura de reduzir o número de hipóteses, como a do laboratório", na transmissão do coronavírus para os humanos, acrescentou.

Ele se referia às conclusões de uma investigação conjunta conduzida na China no início deste ano por cientistas chineses e por uma equipe selecionada pela OMS. Estes especialistas consideraram muito improvável que o novo coronavírus tenha escapado de um laboratório, favorecendo a tese de transmissão de um animal hospedeiro aos humanos por meio de um animal intermediário, ainda não identificado.

A teoria de vazamento do laboratório havia sido descartada logo nos primeiros meses da pandemia por um grande número de cientistas, até o governo de Donald Trump, e depois o de seu sucessor, Joe Biden, chamarem atenção para essa possibilidade. O presidente Biden ordenou que os serviços de Inteligência dos Estados Unidos tomassem o assunto como prioridade.

Esta tese sempre foi rejeitada pelas autoridades chinesas.

"Os acidentes de laboratório acontecem e são até muito comuns. Eu mesmo já vi e já cometi erros", declarou Tedros, referindo-se à sua experiência no passado como imunologista em um laboratório.

"Então, é possível acontecer. Verificar o que aconteceu em nossos laboratórios é importante, e precisamos de informações, informações diretas sobre como estava a situação nos laboratórios" antes da pandemia, insistiu.

Segundo ele, a equipe de pesquisadores que esteve na China no início de 2021 não teve acesso a esses dados.

"Espero que haja uma melhor cooperação e que continuemos a discutir com a China e com os Estados-membros", acrescentou o diretor da OMS, destacando que o marco da segunda fase da investigação das origens foi interrompido.

"Devemos essa investigação aos 4 milhões de mortos" da pandemia, frisou ele.

vog/nl/sst/mr/tt

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos