Mercado abrirá em 9 h 12 min
  • BOVESPA

    130.207,96
    +766,93 (+0,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.029,54
    -256,92 (-0,50%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,01
    +0,13 (+0,18%)
     
  • OURO

    1.863,60
    -2,30 (-0,12%)
     
  • BTC-USD

    40.456,45
    +1.659,25 (+4,28%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.010,15
    +41,31 (+4,26%)
     
  • S&P500

    4.255,15
    +7,71 (+0,18%)
     
  • DOW JONES

    34.393,75
    -85,85 (-0,25%)
     
  • FTSE

    7.146,68
    +12,62 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    28.609,10
    -233,03 (-0,81%)
     
  • NIKKEI

    29.375,94
    +214,14 (+0,73%)
     
  • NASDAQ

    14.145,75
    +21,00 (+0,15%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1458
    +0,0143 (+0,23%)
     

OMS aprova uso emergencial da vacina da Sinopharm contra a COVID-19

·2 minuto de leitura

Nesta sexta-feira, a Organização Mundial da Saúde (OMS) autorizou, de forma emergencial, o uso da vacina desenvolvida pela empresa chinesa Sinopharm contra o coronavírus SARS-CoV-2. Este é o primeiro imunizante vindo de um país oriental aprovado pela OMS e é o quinto no ranking geral das vacinas autorizadas.

Até então, foram aprovadas pela OMS as seguintes vacinas: a da Pfizer/BioNTech; a Covishield (Universidade de Oxford/AstraZeneca); a da Janssen (Johnson & Johnson); e a da Moderna. Agora, se junta ao grupo a fórmula da Sinopharm contra a COVID-19, após avaliação de "segurança, eficácia e qualidade" da organização.

OMS autoriza uso da vacina Sinopharm contra a COVID-19 (Imagem: Reprodução/Karolina Kaboompics/Rawpixel)
OMS autoriza uso da vacina Sinopharm contra a COVID-19 (Imagem: Reprodução/Karolina Kaboompics/Rawpixel)

Além disso, a OMS aposta que a inclusão deste imunizante tem "o potencial de acelerar rapidamente o acesso à vacina COVID-19 para países que buscam proteger os profissionais de saúde e as populações em risco", mas que faltam recursos para isso. Para as imunizações contra o coronavírus, a recomendação é que sejam administradas duas doses em pessoas com mais de 18 anos.

Nos próximos dias, a OMS também deve se pronunciar sobre uma outra vacina contra a COVID-19 também desenvolvida por pesquisadores chineses, a CoronaVac. Vale ressaltar que são dois laboratórios e vacinas diferentes: a CoronaVac é desenvolvida pela farmacêutica Sinovac, e é o imunizante mais usado no Brasil contra o coronavírus.

O que muda com a autorização de uso da OMS?

No combate à pandemia da COVID-19, a autorização da OMS é vista como uma diretriz para muitas agências reguladoras nacionais, já que o órgão internacional atestou a segurança e a eficácia da fórmula, o que pode agilizar análises de outros países. Segundo o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, este é um sinal de "confiança" para a aprovação regulatória de outras entidades.

Além disso, com o selo da OMS, a vacina da Sinopharm contra a COVID-19 poderá ser adotada pelo programa internacional para o acesso igualitário de imunizantes, o COVAX Facility. A meta da iniciativa é fornecer cerca de dois bilhões de vacinas para os países em desenvolvimento.

Vacina da Sinopharm contra a COVID-19

No mundo, a vacina da Sinopharm já é adotada em alguns países, como China, Emirados Árabes Unidos, Paquistão e Hungria. Para imunizar contra o coronavírus, a fórmula desenvolvida em parceria com o Instituto de Produtos Biológicos de Pequim usa o coronavírus inativado ("morto"). A taxa de eficácia é estimada em 78,1%, no entanto, os resultados completos do ensaio clínico de Fase 3 ainda não foram publicados em uma revista científica.


Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: