Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.348,80
    -3.132,20 (-2,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.892,28
    -178,62 (-0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,20
    -0,16 (-0,31%)
     
  • OURO

    1.818,60
    -11,30 (-0,62%)
     
  • BTC-USD

    35.965,62
    +10,55 (+0,03%)
     
  • CMC Crypto 200

    701,23
    -33,91 (-4,61%)
     
  • S&P500

    3.768,25
    -27,29 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    30.814,26
    -177,24 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.735,71
    -66,25 (-0,97%)
     
  • HANG SENG

    28.573,86
    +76,96 (+0,27%)
     
  • NIKKEI

    28.267,00
    -252,18 (-0,88%)
     
  • NASDAQ

    12.761,00
    -41,25 (-0,32%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3844
    -0,0082 (-0,13%)
     

OMS alerta que ainda há 'caminho difícil' a percorrer antes de derrotar o vírus

·1 minuto de leitura
(Arquivo) O diretor de emergências da OMS, Michael Ryan, participa de coletiva de imprensa sobre o novo coronavírus

Especialistas da Organização Mundial da Saúde (OMS) alertaram nesta quarta-feira(6) que há seis meses de um "caminho difícil, difícil" pela frente antes que as vacinas possam reverter a tendência e derrotar o coronavírus. 

A situação em muitos países é preocupante e pode piorar, disse Maria Van Kerkhove, chefe da equipe técnica para o novo coronavírus. 

"Alguns países estão realmente vivendo uma transmissão incrivelmente intensa", particularmente na Europa e na América do Norte, disse ela. 

Os números de internações e entradas em unidades de terapia intensiva são "muito alarmantes", afirmou. 

Reuniões de família durante as festas de final de ano vão causar aumento de casos em janeiro, informou a especialista durante um evento da OMS nas redes sociais.

O diretor de emergências da OMS, Michael Ryan, explicou que as vacinas trouxeram um alívio em dezembro, mas as populações ainda não podem baixar a guarda.

"Estamos nisso há um ano. É uma batalha muito, muito longa", disse ele. "Ainda temos de três a seis meses de estrada difícil pela frente. Mas podemos fazer isso", disse ele. 

Quanto às novas mutações do coronavírus que apareceram no Reino Unido e na África do Sul, elas aparentemente não estão piorando a gravidade da pandemia, disse Van Kerkhove. 

A mutação, que se transmite mais rapidamente, "não é catastrófica no sentido de que está fora de controle e nada pode ser feito", disse ele. 

Mesmo no caso improvável de que as vacinas atuais não sejam eficazes contra essas novas variações, "elas são relativamente fáceis de modificar", disse Ryan.

rjm/har/jz/es/jc/mvv