Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.221,19 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,64 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    -1,87 (-2,94%)
     
  • OURO

    1.733,00
    -42,40 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    44.930,69
    -2.504,08 (-5,28%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,88
    -20,25 (-2,17%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,64 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    28.980,21
    -1.093,96 (-3,64%)
     
  • NIKKEI

    28.966,01
    -1.202,26 (-3,99%)
     
  • NASDAQ

    12.905,75
    +74,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7583
    +0,0194 (+0,29%)
     

OMS alerta para pessimismo excessivo sobre vacina da AstraZeneca contra a covid

·1 minuto de leitura
Uma vacina AstraZeneca/Oxford prestes a ser injetada em um hospital perto de Paris em 7 de fevereiro de 2021

Vários funcionários da Organização Mundial de Saúde (OMS) e do sistema Covax alertaram nesta segunda-feira (8) contra um excesso de pessimismo em relação à vacina anticovid AstraZeneca, principalmente no que diz respeito a salvar vidas e limitar hospitalizações.

"É muito cedo para rejeitar esta vacina" que é "uma parte importante da resposta global à atual pandemia", disse Richard Hatchett, um dos responsáveis pelo mecanismo Covax para garantir uma distribuição justa da mídia contra o covid-19.

"É absolutamente crucial usar as ferramentas de que dispomos da forma mais eficaz possível", acrescentou ele em uma entrevista coletiva na sede da OMS em Genebra.

As dúvidas sobre a eficácia do AstraZeneca em pessoas com mais de 65 anos se multiplicaram nas últimas semanas. E, no domingo, a África do Sul suspendeu temporariamente seu uso devido à eficácia "limitada" contra a variante sul-africana do vírus.

Michael Ryan, responsável por questões emergenciais de saúde da OMS, disse por sua vez que “a principal tarefa das vacinas hoje é reduzir o número de hospitalizações e mortes”.

“E, atualmente, me parece que os dados mostram que isso é o que todas as vacinas fazem”, acrescentou Ryan, reconhecendo que será necessária “uma segunda e terceira geração de vacinas para fazer mais”.

A vacina da AstraZeneca, que ainda não obteve a homologação da OMS, representa a maioria das doses que serão distribuídas pelo sistema Covax aos países mais desfavorecidos.

vog/nl/tjc/mb/ap/mvv