Mercado fechará em 1 h 3 min
  • BOVESPA

    129.873,03
    +432,00 (+0,33%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.131,54
    -154,92 (-0,30%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,94
    +0,03 (+0,04%)
     
  • OURO

    1.866,30
    -13,30 (-0,71%)
     
  • BTC-USD

    39.717,82
    +2.225,27 (+5,94%)
     
  • CMC Crypto 200

    992,55
    +23,71 (+2,45%)
     
  • S&P500

    4.237,75
    -9,69 (-0,23%)
     
  • DOW JONES

    34.259,12
    -220,48 (-0,64%)
     
  • FTSE

    7.146,68
    +12,62 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,23 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    29.161,80
    +213,07 (+0,74%)
     
  • NASDAQ

    14.068,00
    +73,75 (+0,53%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1426
    -0,0500 (-0,81%)
     

OMC avança para eventual acordo sobre patentes de vacinas anticovid

·2 minuto de leitura
A União Europeia (UE) mantém suas reservas na OMC sobre um possível levantamento das patentes e propôs em 4 de junho um pacto multilateral destinado a impulsionar a produção de vacinas

Os membros da Organização Mundial do Comércio (OMC) decidiram, nesta quarta-feira (9), iniciar um processo de elaboração de um acordo para reduzir os direitos de propriedade intelectual das vacinas e outras tecnologias médicas usadas contra a covid-19.

A decisão foi tomada em uma reunião na OMC devido à "urgência da discussão", segundo uma fonte próxima às discussões.

No entanto, as posições continuam distantes e um primeiro relatório sobre o avanço dos debates deve sair em 21 e 22 de julho. As decisões na OMC devem ser tomadas por consenso.

Índia e África do Sul fizeram um apelo em outubro na OMC, para a eliminação temporária das proteções de propriedade intelectual "até que exista uma ampla vacinação em escala mundial e a maioria da população mundial esteja imunizada".

Em maio, África do Sul e Índia, com o apoio de cerca de 60 países, revisaram sua proposta e agora desejam que as isenções tenham uma duração de "ao menos três anos", com o objetivo de estimular a produção nos países em desenvolvimento e remediar as enormes desigualdades no acesso às vacinas.

Após uma forte oposição dos gigantes farmacêuticos e de seus países, as posições evoluíram em maio, quando Washington se pronunciou a favor de uma liberação das patentes.

"Os Estados Unidos acreditam firmemente na proteção da propriedade intelectual. Mas devemos fazer o necessário para acelerar a fabricação e a distribuição igualitária das vacinas", disse o encarregado de Negócios dos EUA, David Bisbee, nos debates desta quarta-feira na OMC.

"A OMC deve demonstrar que pode intervir em uma crise mundial e agir efetivamente para melhorar a vida das pessoas comuns", acrescentou.

A União Europeia (UE) mantém suas reservas na OMC sobre um possível levantamento das patentes e propôs em 4 de junho um pacto multilateral destinado a impulsionar a produção de vacinas.

apo/vog/els/mis/mb/aa