Mercado abrirá em 1 h 40 min
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,63 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,59 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,49
    -1,48 (-2,06%)
     
  • OURO

    1.756,20
    +4,80 (+0,27%)
     
  • BTC-USD

    44.292,75
    -3.533,62 (-7,39%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.103,75
    -121,78 (-9,94%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,42 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.850,44
    -113,20 (-1,63%)
     
  • HANG SENG

    24.099,14
    -821,62 (-3,30%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,75 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.155,00
    -171,00 (-1,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1852
    -0,0142 (-0,23%)
     

Ombudsman da Colômbia pede 'plano de choque' para resolver crise migratória na fronteira

·2 minuto de leitura
Migrantes retidos em Necoclí

O Defensor do Povo da Colômbia, Carlos Camargo, pediu nesta quinta-feira às autoridades do país um “plano de choque humanitário” que permita atender a milhares de migrantes retidos na fronteira com o Panamá.

O ombdusman fez o pedido após viajar ao município de Necoclí, onde haitianos, cubanos, venezuelanos e africanos aguardam uma embarcação que os leve para o Panamá, próxima parada de seu trajeto até os Estados Unidos ou o Canadá.

“É urgente o início de um plano de choque humanitário, no qual já pedimos a várias entidades que tomem medidas imediatas e estruturais para enfrentar a crise migratória”, disse Camargo, segundo um comunicado da Defensoria do Povo, que zela pelos direitos humanos na Colômbia.

O Golfo do Urabá, onde fica Necoclí, é um dos principais pontos de trânsito de africanos, asiáticos e haitianos que buscam cruzar para o Panamá pelo corredor selvagem conhecido como Tapón del Darién, rumo à América Central.

No comunicado, Camargo denunciou as redes internacionais que transportam migrantes do Chile e de outros países para o departamento de Nariño, na fronteira com o Equador, onde "máfias" cobram até US$ 300 para levá-los até a fronteira com o Panamá. Ele fez um pedido a seus colegas “ibero-americanos, em particular do Equador e do Panamá, para que revisem mecanismos de cooperação” que permitam enfrentar o problema e “pôr fim à violação dos direitos humanos dos migrantes que transitam pelo continente”, segundo o texto.

Em Necoclí, os migrantes alugam quartos de hotel e casas particulares, o que impulsiona o comércio da cidade, de cerca de 45 mil habitantes. No entanto, a aglomeração de pessoas em meio à pandemia faz com que as autoridades temam um novo surto de coronavírus.

O diretor da Migração Colômbia, Juan Francisco Espinosa, explicou na véspera que o alto fluxo de migrantes se deve em parte ao "atraso" daqueles que não puderam viajar no ano passado devido ao fechamento de fronteiras imposto pela pandemia.

dl/yo/lb

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos