Mercado fechará em 2 h 19 min
  • BOVESPA

    109.148,26
    +1.769,34 (+1,65%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.626,41
    +359,21 (+0,85%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,04
    +1,98 (+4,60%)
     
  • OURO

    1.802,50
    -35,30 (-1,92%)
     
  • BTC-USD

    19.177,73
    +725,76 (+3,93%)
     
  • CMC Crypto 200

    380,45
    +10,70 (+2,89%)
     
  • S&P500

    3.629,40
    +51,81 (+1,45%)
     
  • DOW JONES

    30.017,25
    +425,98 (+1,44%)
     
  • FTSE

    6.430,23
    +96,39 (+1,52%)
     
  • HANG SENG

    26.588,20
    +102,00 (+0,39%)
     
  • NIKKEI

    26.165,59
    +638,22 (+2,50%)
     
  • NASDAQ

    12.009,25
    +104,00 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4024
    -0,0379 (-0,59%)
     

Oliveira tem aval para comprar fatia de sócio em distribuidoras ex-Eletrobras no Norte

Por Luciano Costa
·1 minuto de leitura

Por Luciano Costa

SÃO PAULO (Reuters) - O grupo Oliveira Energia teve aval do órgão de defesa da concorrência para operação que envolve a compra de participações de sua sócia Atem´s nas distribuidoras de eletricidade Amazonas Energia e Roraima Energia, privatizadas pela Eletrobras em 2018.

Com a operação, aprovada sem restrições pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), de acordo com publicação no Diário Oficial da União desta segunda-feira, a Oliveira passa a deter mais de 90% das empresas.

A distribuidora de combustíveis Atem´s possuía uma fatia de cerca de 36,5% em cada uma das distribuidoras da região Norte, enquanto a Oliveira Energia detinha cerca de 55%, segundo parecer do Cade sobre a transação, que não abre os valores envolvidos.

O órgão estatal disse que a operação não gera preocupações concorrenciais, inclusive por não gerar alterações estruturais nos mercados envolvidos.

Um consórcio formado pelo grupo Oliveira e a Atem´s foi o único a apresentar proposta pelas distribuidoras de energia da Eletrobras no Roraima e no Amazonas após a estatal ter promovido leilões públicos em 2018 para se desfazer de sua participação nas empresas, que eram fortemente deficitárias.