Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,69 (-0,69%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,56 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,95
    +0,65 (+0,89%)
     
  • OURO

    1.750,60
    +0,80 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    42.671,41
    -1.429,97 (-3,24%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.067,20
    -35,86 (-3,25%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,18 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.192,16
    -318,82 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    30.248,81
    +609,41 (+2,06%)
     
  • NASDAQ

    15.319,00
    +15,50 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2556
    +0,0306 (+0,49%)
     

Olimpíadas: Brasil vence o México nos pênaltis e vai lutar pelo bicampeonato

·2 minuto de leitura

No duelo entre os dois últimos campeões olímpicos, melhor para o Brasil, que derrotou o México nesta terça-feira, chegou à final dos Jogos de Tóquio e vai lutar pelo bicampeonato.

A seleção vai tentar a segunda medalha de ouro seguida, depois da primeira conquista no Rio, há quatro anos.

A chance de voltar a uma decisão veio após vitória nos pênaltis. Daniel Alves, Martinelli, Bruno Guimarães e Reinier marcaram. Aguirre e Vásquez perderam para o México. Com defesa do goleiro Santos na primeira cobrança.

No tempo normal, o Brasil esteve mais perto da vitória, com uma bola na trave de Richarlison no segundo tempo e um pênalti inexistente anulado no começo do jogo.

Sábado, a decisão será contra Espanha ou Japão.

Sem Matheus Cunha, lesionado, o Brasil fez uma apresentação muito pragmática. Embora tenha sido superior na posse de bola, não conseguiu construir jogadas de perigo.

O principal lance do primeiro tempo foi uma chance de Arana, em rara aparição no apoio ao ataque. A finalização parou no goleiro Ochoa, bem posicionado.

A ausência do centroavante brasileiro obrigou a seleção a ter Richarlison no comando do ataque, com Paulinho na esquerda e Antony na direita. Mas faltou ligação. Claudinho, que vinha em evolução, não conseguiu ser o elo com os atacantes. E diante de um México muito bem posicionado, o Brasil não teve sucesso nas tentativas de penetração.

Richarlison esteve isolado e quando recebia a bola não conseguia segurá-la para a chegada dos homens de trás. Os laterais também apoiavam pouco, pois o México saia bem pelos lados no contragolpe. O goleiro Santos fez uma defesa difícil na etapa inicial, em que houve duas chances mais claras para cada lado.

O Brasil ainda teve um pênalti anulado. O árbitro apitou falta em Douglas Luiz na área, mas ao ver o vídeo voltou atrás. O jogador brasileiro forçou o choque com o mexicano. Aliás, o jogo foi feio também pelo excesso de faltas dos dois lados.

No segundo tempo, o Brasil também não jogou bem. A entrada de Martinelli no lugar de Paulinho deu mais presença de área, e Richarlison pôde se movimentar melhor. Só que isso não resultou em maior criatividade. Só uma finalização de Antony chamou atenção.

No mais, a seleção só foi mais aguda mesmo quando Reinier entrou. A subida de produção do time provocou a melhor oportunidade. Aos 36 minuos, Daniel Alves achou um um cruzamento, na cabeça de Richarlison. O atacante desviou e a bola bateu na trave. O México respondeu em finalização de cabeça que parou em Santos. No último minuto, Reinier fez ótima jogada pela esquerda, mas optou por cruzar e não finalizar, e foi cortado.

Para a prorrogação, o técnico André Jardine optou pela entrada de Malcom no lugar de Antony. Matheus Henrique tambem entrou. Mas o panorama não se alterou.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos