Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,33 (-0,68%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,59 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    75,19
    +1,21 (+1,64%)
     
  • OURO

    1.758,30
    +6,60 (+0,38%)
     
  • BTC-USD

    44.239,95
    +1.953,23 (+4,62%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.105,00
    +1,94 (+0,18%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,20 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.131,42
    -60,74 (-0,25%)
     
  • NIKKEI

    30.286,03
    +37,22 (+0,12%)
     
  • NASDAQ

    15.380,75
    +62,00 (+0,40%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2579
    +0,0023 (+0,04%)
     

Olimpíada: Natação brasileira regride a 2014 no 4x100m masculino

·2 minuto de leitura
Pedro Spajari compete no 4x100 m masculino em Tóquio (JONATHAN NACKSTRAND/AFP via Getty Images)
Pedro Spajari compete no 4x100 m masculino em Tóquio (JONATHAN NACKSTRAND/AFP via Getty Images)

Não ter subido no pódio do 4x100m livre não chegou a ser uma decepção para a equipe masculina do Brasil. Afinal, os tempos registrados neste e nos últimos anos já apontavam que o quarteto nacional não estava bem cotado para ficar entre os três primeiros. Ainda assim, o desempenho registrado na final da prova em Tóquio pode ser considerado um retrocesso. Não pelo oitavo lugar, mas pelo tempo tão abaixo do esperado.

Com os 3m13s41 não é exagero dizer que o Brasil regrediu sete anos. Isso porque, considerando as principais competições da natação mundial, é o pior desempenho de um quarteto verde e amarelo desde 2014. Na ocasião, os brasileiros registraram um 3m13s49 na final do Pan-Pacífico de Gold Coast, na Austrália.

Leia também:

Desde então, o país vinha numa crescente na prova. A ponto de ter conquistado a prata no Mundial de Budapeste, em 2017, e o ouro no Pan-Pacífico de 2018, em Tóquio (após desclassificação da equipe americana, que havia terminado em primeiro). Por isso, o resultado deste domingo acabou sendo tão frustrante para a natação brasileira.

Revezamento 4x100m livre masculino do Brasil

Tóquio-2020 - 3m13s41
Mundial-2019 - 3m11s99
Pan-Pacífico-2018 - 3m12s02
Mundial-2017 - 3m10s34
Rio-2016- 3m13s21
Mundial-2015 - 3m13s22
Pan-Pacífico-2014 - 3m13s59

Um dado mostra o quão fora da curva foi o desempenho. Das oito participantes, sete baixaram seu tempo em relação às eliminatórias. Apenas a equipe brasileira foi mais devagar. Para ir à final, nadou em 3m12s59.

O desempenho ruim do quarteto nacional passa principalmente pelos três primeiros a entrarem na água: Breno Correia (48s69), Pedro Spajari (48s24) e Gabriel Santos (48s76). Os dois últimos fizeram as duas piores parciais de toda a prova (de um total de 32). Já Spajari fez o quarto pior tempo. Marcelo Chierighini, que fechou o revezamento, foi o único a nadar na marca dos 47.

- É difícil falar alguma coisa do que foi errado. Tem que fazer na hora. Os times melhoraram muito e nós pioramos. Estávamos com expectativa de todos melhorarem um pouco para fazer 3min11 baixo e acho que nem isso daria medalha. Ficamos bem abaixo do que pensávamos e tínhamos potencial. Não tem o que falar - afirmou Chierighini.

Praticamente sem ser ameaçada, a equipe masculina dos Estados Unidos conquistou o bicampeonato olímpico da prova. O ouro veio com o tempo de 3m08s97. A prata ficou com a Itália (3m10s11). Já o bronze foi para a Austrália (3m10s22).

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos