Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.750,22
    +1.458,62 (+1,30%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    43.646,03
    -288,18 (-0,66%)
     
  • PETROLEO CRU

    46,09
    +0,45 (+0,99%)
     
  • OURO

    1.842,00
    +0,90 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    19.124,20
    +75,91 (+0,40%)
     
  • CMC Crypto 200

    365,19
    -14,05 (-3,71%)
     
  • S&P500

    3.699,12
    +32,40 (+0,88%)
     
  • DOW JONES

    30.218,26
    +248,74 (+0,83%)
     
  • FTSE

    6.550,23
    +59,96 (+0,92%)
     
  • HANG SENG

    26.835,92
    +107,42 (+0,40%)
     
  • NIKKEI

    26.751,24
    -58,13 (-0,22%)
     
  • NASDAQ

    12.509,25
    +47,00 (+0,38%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2497
    +0,0137 (+0,22%)
     

De olho nos EUA, parlamentares da UE buscam retaliação comercial mais rápida

·1 minuto de leitura

BRUXELAS (Reuters) - Parlamentares da União Europeia (UE) apoiaram em massa uma proposta nesta segunda-feira para permitir que a UE retalie mais rapidamente disputas comerciais, focando tarifas impostas pelo presidente norte-americano, Donald Trump.

Os parlamentares do comitê de comércio do Parlamento Europeu votaram por 32 a três para ampliar os poderes do bloco de 27 países e impedir outros países de violarem regras globais de comércio.

"Não podemos permitir que um país nos atinja ilegal e unilateralmente sem que possamos reagir imediatamente. Temos que garantir que todos sigam as regras do comércio internacional", disse Marie-Pierre Vedrenne, parlamentar responsável pelo processo.

O chefe de comércio da UE, Phil Hogan, disse nesta segunda-feira que o recente anúncio de uma série de novas investigações comerciais pelos EUA é totalmente inaceitável.

A proposta pode ser enfraquecida após negociações com os governos da UE, mas sinaliza claramente a disposição de Bruxelas de adotar mais rigor no comércio.

Por 25 anos, a Organização Mundial do Comércio (OMC) interveio em disputas comerciais, com decisão de um painel de três pessoas sujeita a possíveis apelos ao Órgão de Apelação da OMC.

No entanto, os Estados Unidos paralisaram nomeações para o Órgão de Apelação, reclamando que passava dos limites do mandato e deixando um número insuficiente de membros no comando.

(Reportagem de Philip Blenkinsop)