Mercado fechado

Startup brasileira inova na pesagem de gado e já recebe sondagens de outros países

Sofware da 'Olho do Dono' consegue pesar o gado sem necessidade de movê-lo para uma balança (Foto: Divulgação)

Por Mariana Nunes

Responsável por 21% do PIB do Brasil, o agronegócio tem buscado na tecnologia formas de transformar processos tradicionais em modelos muito mais ágeis e eficientes. Foi assim que surgiu a “Olho do Dono”, uma startup do Espírito Santo que criou uma solução para ajudar os produtores a pesarem o gado sem estressar o animal.

SIGA O YAHOO FINANÇAS NO INSTAGRAM

A inovação se dá graças a um software que filmar o boi com uma câmera 3D consegue captar e analisar o peso do animal. Pedro Henrique Coutinho, fundador e CEO da startup, diz que a ferramenta tem a combinação de tecnologia e conhecimentos tradicionais.

Leia também

“Colocamos em um só produto conhecimentos de visão computacional, ciência de dados e inteligência artificial. Além disso, contamos também com consultoria e mentoria de pecuaristas, zootecnistas, agrônomos e veterinários”, explica.

A tecnologia elimina a necessidade de o gado ter de ser transportado para uma área específica de pesagem, evitando que o animal perca peso, fique estressado e que o pecuarista não precise contratar mais funcionários para esta função.

“O dispositivo funciona automaticamente, não precisa de uma pessoa ficar operando. Assim, os próprios vaqueiros que vão manejar o gado podem posicionar a câmera e deixá-la lá parada, enquanto realizam seu trabalho”, diz Coutinho. Entre as funcionalidades está a dispensa da necessidade de conexão com a internet no campo para o sistema funcionar.

O projeto foi lançado no mercado em março deste ano ainda como fase de testes. Agora, 15 fazendeiros estão sendo escolhidos para usar o aparelho por um ano - a startup já garantiu 12 clientes no Brasil e está com vagas abertas para o restante.

A expectativa é que cada pecuarista pague um valor anual para ter direito ao software e ao equipamento desenvolvidos pela startup. O valor a ser pago varia de acordo com o tamanho do rebanho.

Fundadores da startup já ganharam três premiações e aumentaram o número de pedidos pela invenção (Foto: Divulgação)

Até o momento, a startup já recebeu três aportes entre fundos de investimento e editais de incentivo à pesquisa. De acordo com a empresa, os investimentos já ultrapassaram o montante de R$ 1 milhão.

A quantidade de aportes, no entanto, deve continuar a crescer. Isso porque, em menos de um ano, a startup já ganhou três grandes prêmios: a de melhor startup da América Latina no 1ª TechCrunch Startup Battlefield Latam, melhor Agtech do Brasil no evento da Intercorte Tech Agro e de melhor Agtech Ganadero na 133ª Exposición Rural, evento argentino do setor.

O próximo passo da companhia é se preparar para lançar o produto em larga escala no Brasil e nos vizinhos Paraguai, Colômbia, Bolívia e Argentina. “Logo em seguida vamos para os demais principais países produtores de pecuária, já tivemos demanda de fazendas e representantes de 25 países”, diz Coutinho.