Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.910,10
    -701,55 (-0,62%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.661,86
    +195,84 (+0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,29
    +0,68 (+0,79%)
     
  • OURO

    1.792,30
    -2,70 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    37.723,87
    +1.266,80 (+3,47%)
     
  • CMC Crypto 200

    863,83
    +21,37 (+2,54%)
     
  • S&P500

    4.431,85
    +105,34 (+2,43%)
     
  • DOW JONES

    34.725,47
    +564,69 (+1,65%)
     
  • FTSE

    7.466,07
    -88,24 (-1,17%)
     
  • HANG SENG

    23.550,08
    -256,92 (-1,08%)
     
  • NIKKEI

    26.717,34
    +547,04 (+2,09%)
     
  • NASDAQ

    14.430,25
    +443,50 (+3,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9813
    -0,0427 (-0,71%)
     

Ola S1 | Clientes reclamam de baixa qualidade e autonomia enganosa

·2 min de leitura

Lançada no fim de agosto por um preço inferior a R$ 10 mil na Índia, a Ola S1 vai fechar 2021 com pendências a resolver com seus primeiros clientes. A marca foi alvo de críticas dos consumidores no Twitter, tanto em relação à qualidade das scooters elétricas quanto à autonomia prometida no ato da venda.

Segundo a fabricante, a motinha poderia percorrer até 181 quilômetros graças à bateria de 4 kWh. A prática, no entanto, mostrou algo diferente.

Um dos compradores que denunciaram a fabricante informou que, enquanto os veículos de teste mostraram um alcance de 152 km (94 milhas) com uma bateria 98% carregada, sua scooter mostrava apenas 135 km (84 milhas) com a bateria 100% carregada.

Um outro usuário da rede social replicou o tweet informando que precisou rebocar sua scooter após apenas 6 quilômetros de uso, por problemas no freio, enquanto um terceiro compartilhou imagens para mostrar falhas na carroceria.

Resposta da Ola sobre a S1

Scooter vendida pela Ola com problema no freio só rodou 6 quilômetros (Imagem: reprodução/Twitter)
Scooter vendida pela Ola com problema no freio só rodou 6 quilômetros (Imagem: reprodução/Twitter)

A fabricante correu para responder a cada uma das reclamações nas redes sociais, mas nem todos pareceram satisfeitos com as soluções propostas.

No caso específico de uma scooter entregue com avarias na lataria, a proposta de consertar os danos foi rebatida. “Comprei um produto novo e não um refurbished (de segunda mão). Reparação não é uma solução”, bradou.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos