Mercado abrirá em 5 h 16 min
  • BOVESPA

    128.405,35
    +348,35 (+0,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.319,57
    +116,77 (+0,23%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,68
    +0,04 (+0,06%)
     
  • OURO

    1.775,80
    +6,80 (+0,38%)
     
  • BTC-USD

    32.929,53
    -2.556,34 (-7,20%)
     
  • CMC Crypto 200

    814,02
    -125,93 (-13,40%)
     
  • S&P500

    4.166,45
    -55,41 (-1,31%)
     
  • DOW JONES

    33.290,08
    -533,32 (-1,58%)
     
  • FTSE

    6.978,99
    -38,48 (-0,55%)
     
  • HANG SENG

    28.424,92
    -376,35 (-1,31%)
     
  • NIKKEI

    28.010,93
    -953,15 (-3,29%)
     
  • NASDAQ

    14.048,00
    +13,00 (+0,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0134
    -0,0227 (-0,38%)
     

Oito anos depois, SBT paga indenização a clube brasileiro por chamá-lo de "vice" em reality show

·2 minuto de leitura


O Vitória venceu a disputa judiciária contra a emissora SBT e receberá R$ 28 mil de indenização por ter sido alvo de uma montagem que chamava o clube baiano de "vice-campeão" durante o reality show "Menino de Ouro", exibido em 2013. O processo estava em andamento desde a realização do programa mas só foi finalizado em 2021 pela Justiça da Bahia.
+ Confira a classificação do Campeonato Baiano

O trâmite legal foi iniciado em junho de 2013, quando a emissora de Silvio Santos fez uma montagem com o escudo do Esporte Clube Vitória em que era possível identificar a conotação "VICE" em detrimento da sigla ECV. A provocação é constantemente usada por rivais do rubro-negro, especialmente o Bahia. Além disso, o clube alegou que o programa do SBT também o figurou como "eterno vice" do tricolor baiano.

No processo, o Vitória alegou danos morais e material à imagem da instituição. Em contrapartida, a rede ponderou que ocorreu um erro de produção.

Seis anos depois do ocorrido, a a juíza Luciana Magalhães Oliveira Amorim, da 10ª Vara de Relações de Consumo do Tribunal de Justiça da Bahia, afirmou que pela relevância nacional, a emissora prejudicou a imagem do rubro-negro. Entretanto, não viu embasamento para danos morais.

- JULGO PROCEDENTE EM PARTE O PEDIDO, para condenar o demandado a pagar à parte autora, a título de indenização por danos morais, a importância de 20.000,00 (vinte mil reais), acrescida de juros de 1% ao mês, devidos a partir da citação, e correção monetária pelo INPC, devidos a partir da fixação do valor, extinguindo o processo com resolução de mérito - ponderou a juíza.

Esquecido até o mês de abril deste ano, o Vitória entrou com um pedido judicial requerendo R$ 27,9 mil pela condenação da emissora. O valor inicial foi acrescido de juros de 1% ao mês enquanto corria o trâmite.

A emissora, contudo, alegou que o clube baiano excedeu os valores do pedido e entrou com embargo do pagamento realizado.

- O Vitória entrou com a execução porque ganhou o processo. Mas o SBT alegou excesso de execução passível de impugnação. E a juíza acolheu esse excesso alertado pelo SBT. Embora o Vitória tenha concordado com o excesso, porque o clube notou que tinha apresentado um valor acima do que era realmente devido, o Vitória foi condenado a pagar R$ 1 mil de honorários de sucumbência aos advogados do SBT. Como o depósito do SBT já tinha sido feito, a Justiça ordenou que parte do valor pago ao clube seja descontado do que o Vitória tem a receber - disse o advogado especialista Danilo Canoves.

O curioso nesse processo é que a emissora é detentora dos direitos televisivos da Copa Nordeste, competição na qual o Vitória é uma das principais atrações e maior vencedor do torneio ao lado do rival Bahia.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos