Mercado fechará em 6 h 28 min

Oi pretende concluir venda de lote de torres de celular até março, diz jornal

Giovanna Almeida
Oi pretende concluir venda de lote de torres de celular até março, diz jornal

A Oi (OIBR3; OIBR4) pretende concluir até o final de março a venda de um novo lote de torres de telefonia. A operação pode levantar cerca de R$ 700 milhões para o caixa da companhia. As informações foram divulgadas, nesta segunda-feira (27), pelo jornal "Valor Econômico".

A venda do lote de ao menos 700 torres da Oi estava prevista para ocorrer, inicialmente, no quarto trimestre deste ano. Segundo uma fonte familiarizada com o assunto, a venda está sendo coordenada pelo Bank Of America Merrill Lynch (BofA).

“O processo de venda das torres está sendo conduzido pelo assessor [financeiro], com prazo de conclusão esperado até o final do primeiro trimestre”, afirmou a fonte.

O BofA foi contratado em janeiro de 2019 pela companhia para prospectar e estruturar operações que envolvam a monetização de ativos non core e oportunidades de fusões e aquisições.

A operação faz parte do plano estratégico divulgado pela operadora em julho de 2019. Por meio do plano, a companhia pretende levantar entre R$ 6,5 bilhões e R$ 7,5 bilhões com a venda de ativos não essenciais.

Além do lote de torres, o plano estratégico inclui a venda da participação da Oi na operadora angolana Unitel, que foi concluída na semanada passada. Ademais, a operadora deverá se desfazer ainda de ativos imobiliários e de data centers.

Venda da operação móvel da Oi

A operação móvel da Oi também poderá ser vendida como parte do plano de venda de ativos não estratégicos. A operação móvel pode ser dividida entre a Tim (TIMP3) e Vivo (VIVT4) em uma transação de cerca de R$ 15 bilhões, segundo informações do jornal "O Globo" e do banco BTG Pactual (BPAC11).

Saiba mais: Oi Móvel pode ser dividida entre Tim e Vivo após venda de R$ 15 bi

Em um relatório divulgado no último domingo (26), o banco estima que a empresa italiana levaria 70% da operação móvel da Oi, enquanto a portuguesa Vivo ficaria com os 30% residuais. Segundo os analistas, essa seria a única forma com que os órgãos antitruste do Brasil aprovem o negócio.

A Oi e a Tim, juntas, dominariam mais de 50% do mercado do Paraná, Santa Catarina e outros cinco estados do Nordeste. Além disso, a parceria entre as companhias também teria uma operação forte no Sudeste, Centro-Oeste e Norte, mas não seriam dominantes.