Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.316,16
    -1.861,39 (-1,63%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.774,91
    -389,10 (-0,71%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,38
    -1,63 (-2,01%)
     
  • OURO

    1.943,90
    -2,80 (-0,14%)
     
  • BTC-USD

    23.031,33
    -161,21 (-0,70%)
     
  • CMC Crypto 200

    526,66
    +9,65 (+1,87%)
     
  • S&P500

    4.070,56
    +10,13 (+0,25%)
     
  • DOW JONES

    33.978,08
    +28,67 (+0,08%)
     
  • FTSE

    7.765,15
    +4,04 (+0,05%)
     
  • HANG SENG

    22.688,90
    +122,12 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    27.382,56
    +19,81 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.221,00
    +114,25 (+0,94%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5462
    +0,0265 (+0,48%)
     

Oi decide descontinuar projeções de desempenho, cita mudanças no cenário

SÃO PAULO (Reuters) - Oi comunicou na noite de segunda-feira que optou por descontinuar a divulgação das projeções de desempenho futuro contemplando previsões e estimativas operacionais e financeiras.

A operadora de telecomunicações empresa cita "as relevantes mudanças no cenário macroeconômico brasileiro e a consequente contrapartida no ambiente competitivo e nas necessidades de financiamento da companhia" com as razões para a decisão.

Oi também ressaltou em fato relevante à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) que projeções do final do ano sobre o "blowout" das discussões com credores, não devem ser consideradas como "guidance".

"Tais projeções assumem premissas da negociação com os credores conforme os termos da proposta apresentada no material e os indicadores financeiros e operacionais divulgados poderiam ser objeto de revisão de acordo com o próprio resultado dessa discussão", afirmou no documento.

Em fato relevante com data de 31 de dezembro passado sobre a discussão com credores, a Oi estimou que a nova companhia, composta por três unidades de negócios, teria receita líquida de 11,8 bilhões de reais em 2024, com Ebitda de 1,29 bilhão e previsão de investimento de 1,015 bilhão.

(Por Paula Arend Laier)