Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.183,95
    -355,84 (-0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.377,47
    +695,28 (+1,52%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,25
    -0,03 (-0,05%)
     
  • OURO

    1.712,80
    -3,00 (-0,17%)
     
  • BTC-USD

    50.910,01
    +2.424,76 (+5,00%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.018,36
    +30,27 (+3,06%)
     
  • S&P500

    3.819,72
    -50,57 (-1,31%)
     
  • DOW JONES

    31.270,09
    -121,43 (-0,39%)
     
  • FTSE

    6.675,47
    +61,72 (+0,93%)
     
  • HANG SENG

    29.880,42
    +784,56 (+2,70%)
     
  • NIKKEI

    29.208,92
    -350,18 (-1,18%)
     
  • NASDAQ

    12.643,00
    -38,75 (-0,31%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7750
    -0,0037 (-0,05%)
     

Oi acerta exclusividade com BTG para negociar unidade de fibra óptica

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Oi informou nesta quinta-feira (4) que assinou acordo de exclusividade com Globenet, BTG Pactual e outros fundos do banco envolvendo a venda da ativos de fibra óptica da operadora de telecomunicações, a InfaCo. "O acordo visa a garantir segurança e celeridade às tratativas em curso entre as partes e permitir que, caso sejam satisfatoriamente finalizadas as negociações de condições e documentos entre as partes, a Oi tenha condições de garantir às proponentes o direito de cobrir outras propostas recebidas da InfraCo", afirmou a companhia em fato relevante. O acordo vale até 6 de março, mas pode ser renovado automaticamente por mais 30 dias, salvo se houver manifestação em contrário por qualquer das partes. Em agosto, a Oi definiu o valor mínimo de R$ 20 bilhões para a venda da InfraCo e disse que planejava leiloar essa unidade no primeiro trimestre de 202, concluindo a venda até setembro de 2021. Em outubro, a operadora anunciou o lançamento de um plano de demissão voluntária (PDV) com objetivo de conseguir adesão de cerca de 2.000 funcionários, ou até 15% do quadro de pessoal. Em dezembro, TIM, Telefônica Brasil e Claro confirmaram compraram as operações de redes móveis da Oi por R$ 16,5 bilhões. A venda ocorreu em um leilão sem concorrência, como parte de um esforço de reposicionamento da Oi para tentar sair de processo de recuperação judicial iniciado em 2016 para lidar com uma dívida de R$ 65 bilhões. A Highline, que chegou a negociar os ativos, desistiu do negócio e não apareceu no leilão.