Mercado abrirá em 5 h 2 min
  • BOVESPA

    121.909,03
    -128,97 (-0,11%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.867,15
    +618,15 (+1,26%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,42
    -0,50 (-0,77%)
     
  • OURO

    1.835,70
    -1,90 (-0,10%)
     
  • BTC-USD

    55.678,30
    -2.825,15 (-4,83%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.474,72
    -86,58 (-5,55%)
     
  • S&P500

    4.188,43
    -44,17 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    34.742,82
    -34,98 (-0,10%)
     
  • FTSE

    6.973,27
    -150,41 (-2,11%)
     
  • HANG SENG

    27.990,14
    -605,56 (-2,12%)
     
  • NIKKEI

    28.608,59
    -909,71 (-3,08%)
     
  • NASDAQ

    13.162,50
    -194,25 (-1,45%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3591
    +0,0189 (+0,30%)
     

Ofertas de sinal aberto na TV paga já têm data para acabar

Rafael Arbulu
·3 minuto de leitura

Durante o último mês e meio, diversos canais de TV por assinatura passaram a oferecer o chamado “Sinal Aberto”, quando a programação premium é temporariamente liberada, sem custo, para assinantes de planos mais básicos. A ideia era oferecer opções mais amplas e variadas de entretenimento durante o isolamento social imposto por governos durante a pandemia da COVID-19.

Desde o início, porém, sabia-se que isso não seria uma prática permanente e, segundo a coluna do jornalista Ricardo Feltrin, no UOL, o que é bom não só dura pouco, mas já tem data para acabar: a partir das 23h59 do dia 10 de maio, toda a programação premium dos canais de TV a cabo voltará a ser restrita ao plano contratado pelo assinante.

Vale citar, ainda, que a referida data é o prazo “máximo” para corte, mas alguns canais já se adiantaram e fecharam seus serviços, como é o caso da rede Telecine e HBO. O canal para maiores de 18 anos Sexy Hot, também da Globosat, é outro que já fechou a sua programação, que em condições normais é adquirida apenas via pay per view.

A busca por TVs por assinatura aumentou neste período de isolamento, com empresas oferecendo serviços pagos em caráter gratuito, mas isso deve acabar logo (Imagem: Reprodução/Estadão)
A busca por TVs por assinatura aumentou neste período de isolamento, com empresas oferecendo serviços pagos em caráter gratuito, mas isso deve acabar logo (Imagem: Reprodução/Estadão)

Altos e baixos?

O setor de TV por assinatura teve um respiro recente no ganho de audiência — algo atribuído ao isolamento social, com mais pessoas querendo ver mais coisas na TV. Segundo um estudo recente conduzido pelo site Melhor Plano, em dois períodos distintos (26 de fevereiro a 13 de março e 14 a 30 de março), a procura por serviços de assinatura (o que inclui TV) e ampliação de planos banda larga aumentaram em 36%, enquanto TV pré-paga aumentou em 32%.

Na mesma toada, plataformas de streaming e vídeo sob demanda, como Netflix, também registraram aumento, ao passo que “Como aumentar a Velocidade da Internet” foi um dos termos mais procurados, com alta de 400% no volume de buscas.

Levantamento do site Melhor Plano crescimento no setor de TVs por assinatura, atribuindo o aumento à quarentena, mas tendência segue sendo de queda (Imagem: Reprodução/Melhor Plano)
Levantamento do site Melhor Plano crescimento no setor de TVs por assinatura, atribuindo o aumento à quarentena, mas tendência segue sendo de queda (Imagem: Reprodução/Melhor Plano)

Entretanto, tudo indica que esse aumento seja algo especificamente ligado ao isolamento social da quarentena, e o ritmo pode voltar a cair quando a pandemia passar. Antes da COVID-19 assolar o planeta, o mercado de TV por assinaturas vinha apresentando repetidas quedas e médias abaixo do esperado desde a final da Copa do Mundo de 2014 — segundo Feltrin, naquela ocasião, o total de assinantes do setor chegava a 20 milhões, sendo que hoje está pouco acima de 15 milhões.

Grande parte dessa queda é atribuída ao avanço das plataformas de video on demand. Entretanto, muitos usuários também se valem da pirataria de sinal, comumente comprando set top boxes — pequenos aparelhos que “roubam” a sintonização de canais pagos e outros produtos do gênero — e são comumente oferecidos em ofertas pelas redes sociais.

Fonte: Canaltech