Mercado abrirá em 3 h 27 min
  • BOVESPA

    121.113,93
    +412,93 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,05
    -0,08 (-0,13%)
     
  • OURO

    1.789,00
    +8,80 (+0,49%)
     
  • BTC-USD

    56.917,18
    -797,42 (-1,38%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.292,74
    -98,97 (-7,11%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,67 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.028,77
    +9,24 (+0,13%)
     
  • HANG SENG

    29.106,15
    +136,44 (+0,47%)
     
  • NIKKEI

    29.685,37
    +2,00 (+0,01%)
     
  • NASDAQ

    14.029,50
    0,00 (0,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6839
    -0,0022 (-0,03%)
     

Oferta de gado no Brasil deve permanecer apertada e pressiona frigoríficos, diz Safras

Ana Mano
·1 minuto de leitura
Animais confinados em uma fazenda em Paulínia, interior de São Paulo

Por Ana Mano

SÃO PAULO (Reuters) - A escassez de gado pronto para abate continuará pressionando os processadores brasileiros de carne bovina por pelo menos um ano, disse o analista da Safras & Mercado Fernando Iglesias, em apresentação nesta quinta-feira.

A oferta apertada, causada pelo abate de vacas e a forte demanda por carne bovina em mercados como a China, levou empresas a paralisar temporariamente as operações e dispensar funcionários em Estados como Goiás, Rondônia, São Paulo, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, disse ele.

O preço da arroba bovina subiu para 315 reais esta semana, patamar recorde.

"A oferta está muito apertada", disse Iglesias. "Apenas processadores de carne com licenças para vender para a China podem pagar."

O mercado apertado atinge empresas como JBS,Marfrig e Minerva, que operam nos mercados interno e de exportação.

Nas últimas semanas, grupos comerciais que representam os frigoríficos começaram a fazer lobby junto ao Ministério da Agricultura para obter autorização para importar gado vivo do Paraguai como forma de continuar o abate em meio à oferta restrita.

Iglesias disse que a disponibilidade de gado no Brasil pode melhorar no próximo ano.

Ele previu que o Brasil abaterá 31,585 milhões de cabeças degado em 2021, um aumento anual de 0,4%.

Em comparação, o abate de gado caiu 9% no ano passado ante 2019, para 31,471 milhões de cabeças, segundo dados da Safras.

((Tradução Redação São Paulo 55 11 56447751))REUTERS RS