Ofensiva diplomática de Zelenskyy isola Putin

À medida que os combates contra a Rússia prosseguem no terreno, Volodymyr Zelenskyy reforça no estrangeiro o apoio à defesa da Ucrânia.

Numa semana, o presidente ucraniano deslocou-se a vários países europeus, esteve na Arábia Suadita e aterrou durante a noite no Japão, onde se vai encontrar com os líderes do G7.

A ofensiva diplomática de Zelenskyy tem, de acordo com especialistas, ganho adesão sobretudo por um motivo: os líderes internacionais acreditarem que o Kiev vai ganhar a guerra.

"Zelenskyy não seria convidado para todos estes sítios e todos estes eventos, se não pensassem que a Ucrânia iria sair bem da guerra. Isto simplesmente não estaria a acontecer. Não iam querer estar perto de um líder se pensassem que fosse ser derrotado e que o país fosse entrar em colapso", afirma Phillips P. O'Brien, professor de Estudos Estratégicos na Universidade de St Andrews, na Escócia.

Vladimir Putin vive um isolamento internacional sem precedentes. O presidente russo viu recentemente as movimentações condicionadas por um mandado de captura do Tribunal Penal Internacional.

E mesmo entre os tradicionais aliados, a Rússia tem vindo a perder influência. Um fenómeno para o qual a China também estará a contribuir ao ter exluído Moscovo da cimeira desta semana com os países da Ásia Central.