Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.221,19 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,64 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    -1,87 (-2,94%)
     
  • OURO

    1.733,00
    -42,40 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    46.711,85
    -36,42 (-0,08%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,88
    -20,25 (-2,17%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,64 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    28.980,21
    -1.093,96 (-3,64%)
     
  • NIKKEI

    28.966,01
    -1.202,26 (-3,99%)
     
  • NASDAQ

    12.905,75
    +74,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7583
    +0,0194 (+0,29%)
     

Odebrecht Engenharia prevê quase quintuplicar volume de obras em 2 anos

·2 minuto de leitura
Odebrecht Engenharia prevê quase quintuplicar volume de obras em 2 anos

SÃO PAULO (Reuters) - A Odebrecht Engenharia e Construção (OEC) espera quase quintuplicar seu estoque de obras em cerca de dois anos, com a principal unidade do conglomerado tentando se recuperar dos efeitos combinados da operação Lava Jato e de uma recessão no país que levaram o grupo para a recuperação judicial.

Em apresentação online a investidores nesta terça-feira, a empreiteira estimou backlog de 2,6 bilhões de dólares em 2022, ante 546 milhões de dólares no final de 2020, com o reequilíbrio de dívidas abrindo espaço para que voltasse a ter condições de incorporar obras no Brasil e em novos mercados no exterior, incluindo Angola e República Dominicana.

Com isso, a OEC prevê triplicar seu faturamento para 1,69 bilhão em 2022, ante 564 milhões de dólares no ano passado, com as receitas chegando a 2,83 bilhões de dólares em 2025.

"Isso será possível em parte por causa do apoio que recebemos dos nossos credores", disse durante a apresentação o presidente-executivo da OEC, Marco Siqueira.

A empreiteira finalizou em julho do ano passado negociações com detentores de bônus de uma dívida da 3,3 bilhões de dólares, com desconto de cerca de 55% sobre o valor de face e alongamento de prazos.

No mesmo mês, o Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo aprovou o plano de recuperação judicial do conglomerado Odebrecht, um dos principais alvos da operação Lava Jato. O pedido fora feito em 2019, em meio a dívidas de 65,5 bilhões de reais.

No mês passado, o grupo anunciou mudança do nome para Novonor, conforme o grupo tenta se afastar dos escândalos de corrupção pelos quais ficou marcada seus últimos anos e que a levou a ser proibida de participar de licitações para obras públicas em países como México, Argentina, entre outros.

(Por Aluísio Alves)