Mercado abrirá em 5 h 36 min

Odebrecht e Itapemirim se juntam para disputar licitação de linhas da CPTM

FERNANDA BRIGATTI
·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - As empresas Itapemirim e OEC (Odebrecht Engenharia e Construção) fecharam na segunda (21) um acordo para a formação de um consórcio que disputará a licitação da concessão das linhas 8-Diamante e 9-Esmeralda da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos). A parceria com a OEC, braço de construção da holding Novonor (ex-Grupo Odebrecht), diz Sidnei Piva, presidente-executivo do Grupo Itapemirim, deve se estender a outros negócios. A ideia é participar também de concessões de rodovias, ferrovias e aeroportos. O edital da concorrência das linhas férreas que atendem parte da capital e da Grande SP foi publicado no dia 1° deste mês. Segundo Piva, as equipes das duas empresas se reunirão nesta quarta (23) para o primeiro encontro de trabalho, quando serão levantadas todas as obrigações previstas na proposta. O investimento para a administração das duas linhas está estimado em R$ 3,2 bilhões em oito anos, segundo a Secretaria de Transportes Metropolitanos. Piva diz que as empresas avaliam agora quem será o parceiro financeiro na empreitada - ele poderá ou não integrar o consórcio. "Temos vários parceiros financeiros em análise, a Odebrecht tem vários fundos, mas ainda está em análise. Estamos em busca do melhor parceiro", afirma Piva. Quem vencer a concorrência vai administrar as duas linhas por 30 anos. "Acreditamos que o consórcio tem qualidade e experiência para construir a melhor proposta", diz Piva. O valor mínimo da outorga é de R$ 303 milhões --esse será o critério mais importante na concorrência. Os envelopes com as propostas técnica e comercial deverão ser entregues em 2 de março. O acordo prevê que a Itapemirim será a líder do consórcio e deverá elaborar os estudos de viabilidade, que incluem as análises técnica, jurídica e econômica da proposta. Caberá à Odebrecht os estudos de engenharia e certificados técnicos. As obras civis serão realizadas exclusivamente pela construtora. As duas linhas transportam diariamente, segundo a Secretaria de Transportes Metropolitanos, mais de 1 milhão de passageiros. Na Linha 8-Diamante, a empresa vencedora administrará 41,6 km e 22 estações em seis municípios, além de um pátio de manutenção e estacionamento de trens e a futura estação Ambuitá, que será construída pela empresa vencedora. Na Linha 9-Esmeralda, são 32,5 km e 18 estações, três delas em construção, em dois municípios. Em nota, o diretor da OEC para o Brasil, Raul Ribeiro, diz que executar obras de mobilidade urbana é uma das especialidades da empresa. "Colocaremos toda a nossa experiência acumulada como construtor, operador e mantenedor de ativos desta natureza à disposição do nosso parceiro e do poder concedente para garantir, dentro dos prazos e custos estabelecidos, que as cidades da região metropolitana contempladas nos trajetos das duas linhas possam usufruir o quanto antes de uma nova referência de serviço de transporte urbano".