Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +998,33 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,18 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,34
    -0,88 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.797,30
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    17.037,38
    +29,36 (+0,17%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,33
    +2,91 (+0,72%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,87 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.979,00
    -83,75 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4940
    +0,0286 (+0,52%)
     

Ocitocina, o "hormônio do amor", pode literalmente curar o coração

Equipe de cientistas descobriu que a ocitocina, popularmente conhecida como o hormônio do amor, pode ajudar no processo de recuperação do coração, após alguns tipos de lesões, como o infarto. O efeito já foi observado em animais e culturas de células humanas, mas estudos complementares ainda são necessários. No futuro, a ciência poderá confirmar a conexão direta entre as sensações que o amor gera e o funcionamento deste órgão.

Publicado na revista científica Frontiers in Cell and Developmental Biology, o estudo sobre a capacidade do hormônio ocitocina em regenerar o coração foi liderado por pesquisadores da Universidade Estadual de Michigan, nos Estados Unidos.

Na pesquisa, "mostramos que a oxitocina, um neuropeptídeo também conhecido como 'hormônio do amor', é capaz de ativar mecanismos de reparo cardíaco em corações feridos de peixes-zebra e em culturas de células humanas, abrindo as portas para novas terapias para a regeneração do coração em humanos”, afirma Aitor Aguirre, um dos autores do estudo, em comunicado.

Anteriormente, outras funções da ocitocina eram conhecidas pela ciência. Entre elas, a mais popular é a que relaciona o hormônio com a sensação de prazer, o que pode ser obtido através de sessões de exercícios ou do sexo. Além disso, ele regula a lactação e as contrações uterinas de mulheres grávidas. Em homens, está relacionado com a ejaculação e o transporte de espermatozoides.

Como a ocitocina pode curar o coração "machucado"?

Pesquisadores usam o hormônio ocitocina para regenerar tecidos do coração que estão lesionados (Imagem: Madi7779/Envato)
Pesquisadores usam o hormônio ocitocina para regenerar tecidos do coração que estão lesionados (Imagem: Madi7779/Envato)

No estudo, os cientistas norte-americanos descobriram que a ocitocina pode reprogramar as células da camada mais externa do coração (epicárdio), tornando-as novamente células-tronco. Para sermos mais precisos, células progenitoras derivadas do epicárdio (EpiPCs).

Neste estágio em que podem se transformar em qualquer outra célula cardíaca, elas migram para a camada intermediária (miocárdio) e, em seguida, se desenvolvem em cardiomiócitos. Estas são as células musculares que provocam as contrações cardíacas, essenciais para o bombeamento do sangue no coração.

Após um caso de ataque cardíaco (infarto do miocárdio), uma grande quantidade de cardiomiócitos é perdida e, posteriormente, não será reposta. Isso gera sequelas duradouras para as vítimas desse problema de saúde e, até o momento, não existem alternativas eficazes para a recuperação.

Como foi possível induzir a produção de novos cardiomiócitos em laboratório, os cientistas acreditam que, em algum grau, isso também é viável em humanos. "Mesmo que a regeneração do coração seja apenas parcial, os benefícios para os pacientes podem ser enormes”, explica Aguirre sobre o potencial da descoberta.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: