Mercado fechado
  • BOVESPA

    100.763,60
    +2.091,34 (+2,12%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.294,83
    +553,33 (+1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,47
    +0,90 (+0,82%)
     
  • OURO

    1.824,80
    0,00 (0,00%)
     
  • BTC-USD

    20.728,39
    -332,73 (-1,58%)
     
  • CMC Crypto 200

    451,17
    -10,62 (-2,30%)
     
  • S&P500

    3.900,11
    -11,63 (-0,30%)
     
  • DOW JONES

    31.438,26
    -62,42 (-0,20%)
     
  • FTSE

    7.258,32
    +49,51 (+0,69%)
     
  • HANG SENG

    22.229,52
    +510,46 (+2,35%)
     
  • NIKKEI

    26.928,38
    +57,11 (+0,21%)
     
  • NASDAQ

    12.081,50
    +41,00 (+0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5281
    -0,0160 (-0,29%)
     

OCDE prevê ano sombrio para economia e risco de agravamento

A economia mundial está piorando com a guerra na Ucrânia e corre o risco de afundar ainda mais, advertiu nesta quarta-feira (8) a Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômicos (OCDE) em suas previsões mais recentes, que apontam um recuo expressivo do crescimento mundial e uma alta da inflação este ano.

"Uma crise humanitária está acontecendo diante dos nossos olhos, deixando milhares de mortos, forçando milhões de refugiados a fugir de suas casas e ameaçando uma recuperação econômica que estava em curso após dois anos de pandemia, advertiu a número dois da organização e economista chefe da OCDE, Laurence Boone, na introdução das previsões, que tem como título "O preço da guerra".

A OCDE, com sede em Paris e que reúne 38 países desenvolvidos, optou por não publicar em março suas previsões habituais detalhadas devido à grande incerteza provocada pela invasão russa da Ucrânia iniciada três semanas antes.

Na ocasião, a organização havia calculado apenas que guerra custaria mais de um ponto de crescimento mundial e 2,5 pontos de inflação em um ano.

Agora projeta um crescimento do PIB mundial de 3% em 2022, o que representa uma forte queda em relação à previsão anterior de 4,5% divulgada em dezembro.

"O mundo pagará um preço elevado pela guerra da Rússia contra a Ucrânia", declarou Boone.

Antes da OCDE, várias grandes organizações econômicas já haviam reduzido suas previsões: o Banco Mundial anunciou na terça-feira uma estimativa de crescimento de 2,9% para este ano e, em abril, o Fundo Monetário Internacional cortou sua previsão para 3,6%.

As consequências da guerra, no entanto, variam consideravelmente de acordo com a região geográfica: a zona do euro foi particularmente afetada nas previsões de crescimento, com uma projeção de 2,6%, contra 4,3% em dezembro.

As previsões caíram na Alemanha para 1,9% (-2,2 pontos) e na França para 2,4% (-1,8 pontos). A Espanha deve avançar 4,1% (-1,47).

O Reino Unido resiste este ano, com um avanço de 3,6% (-1,1), mas deve estagnar em 0% em 2023, contra a previsão anterior de 2,1%.

Na América Latina, o Brasil deve crescer 0,6% em 2022, contra a previsão de 1,4% anunciada em dezembro. O México vai avançar 1,9% (-1,4) este ano, a Argentina 3,6% (+1,1) e a Colômbia 6,1% (+1).

A previsão para os Estados Unidos aponta um crescimento de 2,5% em 2022, contra 3,7% da projeção de dezembro, enquanto a China deve avançar 4,4% (antes 5,1%).

- Previsão dobra para a inflação -

A inflação é uma das maiores preocupações da OCDE, sendo citada mais de 800 vezes no relatório de mais de 200 páginas.

A instituição dobrou a previsão de inflação para os países membros da organização, a 8,5% este ano, o que representa a maior previsão anual desde 1988.

A inflação, que a OCDE ainda considerava em setembro de 2021 como "temporária", prossegue em alta, enquanto persistem os problemas nas cadeias de abastecimento, com os preços da energia, alimentos e metais em forte alta devido à guerra.

De acordo com Boone, "corrói a renda disponível das famílias e nível de vida, além de frear o consumo".

Nos países vulneráveis, o aumento dos preços e a escassez de alimentos, como o trigo, ameaçam provocar "desastres humanitários", alerta a organização.

Assim como o Banco Mundial, a OCDE acredita que as pressões inflacionárias diminuirão em 2023, mas adverte que nada é seguro.

"As pressões inflacionárias podem ser mais fortes do que o previsto (...) a incerteza sobre estas previsões é elevada", afirma o relatório.

Entre os riscos estão uma paralisação repentina das exportações de gás russo para a Europa, novos aumentos dos preços da energia ou interrupções contínuas nas cadeias de suprimentos.

alb/pc/mar/fp

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos