Mercado fechado
  • BOVESPA

    128.405,35
    +348,13 (+0,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.319,57
    +116,77 (+0,23%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,50
    +0,46 (+0,65%)
     
  • OURO

    1.763,90
    -10,90 (-0,61%)
     
  • BTC-USD

    34.177,79
    -1.869,57 (-5,19%)
     
  • CMC Crypto 200

    888,52
    -51,42 (-5,47%)
     
  • S&P500

    4.166,45
    -55,41 (-1,31%)
     
  • DOW JONES

    33.290,08
    -533,37 (-1,58%)
     
  • FTSE

    7.017,47
    -135,96 (-1,90%)
     
  • HANG SENG

    28.801,27
    +242,68 (+0,85%)
     
  • NIKKEI

    28.964,08
    -54,25 (-0,19%)
     
  • NASDAQ

    14.017,75
    -138,50 (-0,98%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0361
    +0,0736 (+1,23%)
     

OCDE mais otimista sobre economia mundial mas adverte para 'ventos contrários'

·2 minuto de leitura
A recuperação se confirma e, após uma recessão histórica em 2020, quando a economia mundial registrou contração de 3,5%, a OCDE prevê agora uma alta do PIB de 5,8% em 2021

A Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE) elevou nesta segunda-feira (31) suas previsões de crescimento mundial para 2021 (5,8%) e para 2022 (4,4%), ao mesmo tempo em que advertiu para o risco de uma recaída da economia pela persistência de "ventos contrários".

Apesar de ter destacado a solidez da recuperação, a OCDE, que inclui 38 países que representam 60% do PIB mundial, está preocupada com a lentidão da vacinação nos países pobres e com o nervosismo dos mercados financeiros.

A recuperação se confirma e, após uma recessão histórica em 2020, quando a economia mundial registrou contração de 3,5%, a OCDE prevê agora uma alta do PIB de 5,8% em 2021, mais do que os 5,6% previstos em março, quando publicou as estimativas anteriores.

Para 2022, um ano em que a maioria das economias deve retornar aos níveis de 2019, a instituição prevê crescimento de 4,4%. Em março, projetava 4% para o próximo ano.

"Os governos administraram quase dois bilhões de doses de vacinas, e nunca antes em uma crise havíamos observado políticas públicas tão rápidas e eficazes, tanto em termos de saúde como de desenvolvimento de vacinas, ou em termos monetários, fiscais, ou financeiros", destaca no relatório a economista-chefe da OCDE, Laurence Boone.

Há muitos sinais positivos, como o aumento da produção industrial, a forte recuperação do comércio mundial de mercadorias e o aumento do consumo depois dos confinamentos.

"Porém, muitos ventos contrários persistem", adverte a OCDE. Em particular, "até que a grande maioria da população mundial seja vacinada, todos continuaremos à mercê do surgimento de novas variantes".

Novos confinamentos abalariam a "confiança" e muitas empresas, "antes bem protegidas, mas muitas vezes sobrecarregadas com uma dívida elevada, podem ir à falência", alerta Boone.

Outro risco identificado pela OCDE é o nervosismo dos mercados financeiros, preocupados com as altas inflacionárias e que, segundo a instituição internacional, são apenas um fenômeno temporário ligado à recuperação econômica.

Caso os mercados comecem a apostar em uma inflação duradoura, isto poderia provocar o aumento das taxas de juros, o que colocaria a recuperação em perigo, segundo a organização.

"Precisamos de vigilância", afirma o relatório.

A organização, com sede em Paris, afirma que a recuperação é frágil e "desigual". Prevê crescimento de 8,5% na China, e de 6,9%, nos Estados Unidos, dois países que já retornaram aos níveis anteriores à pandemia, mas de apenas 2,6% no Japão, e de 3,3%, na Alemanha.

Na América Latina, a instituição prevê que o Brasil vai crescer 3,7% em 2021; o México, 5,0%; a Argentina, 6,1%; o Chile, 6,7%; e a Colômbia, 7,6%.

evs/aue/pc/me/fp/tt

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos