Mercado abrirá em 8 h 24 min
  • BOVESPA

    120.636,39
    -605,24 (-0,50%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.495,41
    -962,61 (-2,07%)
     
  • PETROLEO CRU

    53,38
    +0,40 (+0,76%)
     
  • OURO

    1.848,00
    +7,80 (+0,42%)
     
  • BTC-USD

    35.546,96
    -688,28 (-1,90%)
     
  • CMC Crypto 200

    706,63
    -8,56 (-1,20%)
     
  • S&P500

    3.798,91
    +30,66 (+0,81%)
     
  • DOW JONES

    30.930,52
    +116,26 (+0,38%)
     
  • FTSE

    6.712,95
    -7,70 (-0,11%)
     
  • HANG SENG

    29.745,46
    +103,18 (+0,35%)
     
  • NIKKEI

    28.504,38
    -129,08 (-0,45%)
     
  • NASDAQ

    13.035,25
    +49,75 (+0,38%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5065
    +0,0079 (+0,12%)
     

OCDE: Brasil corre risco de ter ‘década perdida’ sem reformas

Andrew Rosati
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- O Brasil deve cortar gastos e obrigações mandatórias para evitar uma “recessão como na década perdida dos anos 1980”, segundo estudo da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico.

Com os níveis de dívida disparando após o pacote de ajuda do governo para enfrentar a pandemia, o crescimento sustentado depende de ajustes fiscais e do cumprimento das regras de gastos públicos, alertou a OCDE em pesquisa econômica sobre Brasil publicada nesta quarta-feira.

“Sem uma ação forte, os custos de financiamento podem aumentar substancialmente, prejudicando a sustentabilidade fiscal e deprimindo o investimento”, disse a organização com sede em Paris, prevendo que o déficit primário do Brasil, que exclui o pagamento de juros, aumentará para 10,7% do Produto Interno Bruto este ano.

O relatório de 138 páginas foi divulgado antes de uma apresentação do Secretário-Geral da OCDE, Angel Gurria, do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, e do Ministro da Economia, Paulo Guedes, sobre a recuperação do país após o Covid-19.

A resposta política do Brasil foi bem-sucedida em proteger milhões de pessoas da crise econômica, mas “reformas estruturais profundas” são necessárias para impulsionar o crescimento além dos níveis pré-pandêmicos, disse o relatório. A OCDE espera que a maior economia da América Latina contraia 5% em 2020 e cresça 2,6% em 2021.

Recomendações de política

O relatório recomendou que os parlamentares mantenham as taxas de juros baixas até que as pressões inflacionárias se tornem “claramente visíveis”, salvaguardem a autonomia do Banco Central, aumentem os benefícios do programa Bolsa Família e indexem os aumentos da previdência social aos preços ao consumidor, em vez de usar o salário mínimo como indexador.

Além da dívida do governo, prevista em mais de 94% do PIB este ano, a OCDE citou preocupações com a produtividade e eficiência nos gastos, corrupção, bem como o aumento da desigualdade.

“Muitas das configurações institucionais e políticas do Brasil foram feitas para um mundo que é muito diferente dos desafios de hoje”, disse o relatório.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.