Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.909,61
    +2.127,46 (+1,96%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.174,06
    -907,27 (-1,78%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,02
    +0,82 (+1,05%)
     
  • OURO

    1.764,60
    +0,90 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    16.858,91
    +672,36 (+4,15%)
     
  • CMC Crypto 200

    400,59
    +11,87 (+3,05%)
     
  • S&P500

    3.957,63
    -6,31 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    33.852,53
    +3,07 (+0,01%)
     
  • FTSE

    7.512,00
    +37,98 (+0,51%)
     
  • HANG SENG

    18.204,68
    0,00 (0,00%)
     
  • NIKKEI

    27.854,89
    -172,95 (-0,62%)
     
  • NASDAQ

    11.523,75
    -1,00 (-0,01%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4613
    +0,0047 (+0,09%)
     

OCDE alerta sobre 'risco de evasão fiscal' das multinacionais

A falta de coordenação internacional para impor uma reforma tributária às multinacionais acarreta "riscos de evasão fiscal" – alerta a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) em um relatório divulgado nesta quinta-feira (17).

Assinado por uma centena de países sob mediação da OCDE no final de 2021, um acordo para introduzir um imposto mínimo a ser cobrado das grandes empresas e para permitir uma melhor distribuição da arrecadação está demorando para ser concretizado, devido ao bloqueio em algumas regiões, como a Europa.

"Novos dados da OCDE revelam o risco de evasão fiscal" por parte desses grandes grupos, alerta a organização em seu último relatório sobre estatísticas de impostos corporativos, publicado hoje.

A análise foi realizada em 160 países e jurisdições e integra as declarações de atividades em cada país feitas por quase 7.000 empresas multinacionais.

De acordo com o documento, o rendimento médio auferido por um trabalhador é anormalmente superior nas jurisdições que aplicam uma taxa zero às empresas, ante as que aplicam uma taxa positiva.

O valor médio da renda de um funcionário é de US$ 2 milhões, onde a alíquota de imposto sobre o lucro é zero, em comparação com "apenas" US$ 300.000 em jurisdições que aplicam alíquotas acima de zero, calcula a OCDE.

A entidade mostra que, se compararmos a renda de grupos localizados em centros de investimentos com as de empresas localizadas fora, surgem indícios de possíveis práticas de exploração inadequada entre os sistemas tributários.

A situação é muito problemática, segundo a OCDE, caso se leve em consideração que o imposto corporativo é “uma importante fonte de receita tributária para a maioria dos países, especialmente nas economias de mercado em desenvolvimento, ou emergentes”.

No total, representa uma média de 18,8% de toda arrecadação tributária na África, e 15,8%, na América Latina e Caribe, ante 9,6% nos países-membros da OCDE, que agrupa essencialmente os países desenvolvidos.

alb/kd/pta/es/zm/mr/tt