Mercado fechado
  • BOVESPA

    95.368,76
    -4.236,78 (-4,25%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    37.393,71
    -607,60 (-1,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    37,61
    +0,22 (+0,59%)
     
  • OURO

    1.878,30
    -0,90 (-0,05%)
     
  • BTC-USD

    13.230,87
    +19,94 (+0,15%)
     
  • CMC Crypto 200

    261,75
    -10,94 (-4,01%)
     
  • S&P500

    3.271,03
    -119,65 (-3,53%)
     
  • DOW JONES

    26.519,95
    -943,25 (-3,43%)
     
  • FTSE

    5.582,80
    -146,19 (-2,55%)
     
  • HANG SENG

    24.372,33
    -336,47 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    23.231,55
    -186,96 (-0,80%)
     
  • NASDAQ

    11.229,75
    +97,00 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7385
    +0,0041 (+0,06%)
     

Observatório registra estrela sendo 'espaguetificada' por buraco negro

Redação Notícias
·1 minuto de leitura
Impressão artística mostra estrela (em primeiro plano) sendo espaguetificada enquanto é engolida por um buraco negro supermassivo (ao fundo) durante um 'evento de ruptura de maré (Foto: ESO/M. Kornmesser)
Impressão artística mostra estrela (em primeiro plano) sendo espaguetificada enquanto é engolida por um buraco negro supermassivo (ao fundo) durante um 'evento de ruptura de maré (Foto: ESO/M. Kornmesser)

O Observatório Europeu do Sul (ESO), na Alemanha, registrou o momento em que uma estrela é "espaguetificada" ao ser sugada por um buraco negro supermassivo. A pesquisa com as imagens da observação foi publicada na segunda-feira (12) no Monthly Notices of the Royal Astronomical Society.

A ideia de um buraco negro engolindo uma estrela parece saída da ficção científica. Porém, pesquisadores do estudo do ESO apontam que é realmente o que acontece em um evento chamado “ruptura de maré”.

Isso porque o buraco negro é um lugar no espaço em que a força da gravidade é tão forte que nada consegue escapar, nem mesmo a luz. Qualquer objeto que entra em um buraco negro é esmagado até parecer um espaguete, por causa do chamado "evento de ruptura de maré". Por isso o termo "espaguetificação".

Leia também

De acordo com os cientistas, o evento foi o mais “próximo” da Terra já registrado, a cerca de 215 milhões de anos-luz do nosso planeta. Os pesquisadores do ESO comemoram o flagrante, pois quando um buraco negro devora uma estrela, geralmente pode lançar uma poderosa explosão de material para o exterior, o que “obstrui nossa visão”, segundo uma pesquisadora.

Dessa vez, porém, os cientistas conseguiram enxergá-lo porque acompanharam o evento de ruptura de marés desde "cedo". Eles observaram o fenômeno por 6 meses.

Neste ano, pesquisas sobre buracos negros foram premiadas com o Nobel de Física. O trio de cientistas Roger Penrose, Reinhard Genzel e Andrea Ghez dividiram o prêmio, de 10 milhões de coroas suecas (cerca de R$ 6,3 milhões).