Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.611,65
    +1.322,47 (+1,19%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.466,02
    -571,03 (-1,12%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,46
    +0,85 (+0,98%)
     
  • OURO

    1.795,90
    +2,80 (+0,16%)
     
  • BTC-USD

    37.137,11
    +316,01 (+0,86%)
     
  • CMC Crypto 200

    813,93
    -5,57 (-0,68%)
     
  • S&P500

    4.326,51
    -23,42 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.160,78
    -7,31 (-0,02%)
     
  • FTSE

    7.554,31
    +84,53 (+1,13%)
     
  • HANG SENG

    23.807,00
    -482,90 (-1,99%)
     
  • NIKKEI

    26.170,30
    -841,03 (-3,11%)
     
  • NASDAQ

    14.127,75
    +141,00 (+1,01%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0248
    -0,0816 (-1,34%)
     

Observatório em Bauru recebe câmera de monitoramento e registra 1º meteoro

·1 min de leitura

O Observatório de Astronomia da Universidade Estadual Paulista (UNESP), em Bauru, fez seu primeiro registro de um meteoro cruzando o céu em 7 de janeiro deste ano, mesmo dia em que a câmera da Rede Brasileira de Observação de Meteoros (BRAMON) foi instalada na unidade.

Desde 2015, o Observatório Didático de Astronomia (ODA) da UNESP tem uma parceria com a rede BRAMON, mas, por falta de verbas, somente agora a unidade de Bauru recebeu o equipamento necessário para o registro de fotos e vídeos de meteoros.

O professor Rodolfo Langhi, coordenador do Observatório, explicou que o patrulhamento dos meteoros acontece com câmeras que registram automaticamente imagens e vídeos desses fenômenos, seja de dia ou de noite, graças a um software específico para este propósito.

O projeto PATRICIA (PATRulhamento Investigativo do Céu por Imageamento Automático) conta com a participação das alunas Helena Carrara e Tainá de Andrade, que serão treinadas para analisar as imagens da estação recém-inaugurada.

Um único meteoro pode ser filmado por diversos ângulos, dependendo das estações disponíveis na localidade. Quanto mais perspectivas sobre um mesmo fenômeno, mais informações podem ser deduzidas sobre ele, desde o exato horário até o local de origem da rocha espacial.

Além de tudo isso, o monitoramento também permite rastrear o que sobrou do meteoro — o meteorito — e calcular com relativa precisão seu local de impacto. Hoje, a BRAMON possui 93 estações distribuídas em 20 estados e segue avançando com seu importante trabalho.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos