Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.221,19 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,64 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    -1,87 (-2,94%)
     
  • OURO

    1.733,00
    -42,40 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    44.832,24
    -2.594,91 (-5,47%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,88
    -20,25 (-2,17%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,64 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    28.980,21
    -1.093,96 (-3,64%)
     
  • NIKKEI

    28.966,01
    -1.202,26 (-3,99%)
     
  • NASDAQ

    12.905,75
    +74,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7583
    +0,0194 (+0,29%)
     

Observatório de Arecibo tinha "erro de fabricação", diz investigação preliminar

Daniele Cavalcante
·2 minuto de leitura

Duas equipes de investigação forense estão trabalhando para determinar a causas do incidente que resultou na destruição do radiotelescópio de Arecibo, em Porto Rico. De acordo com as informações preliminares, um problema de fabricação nos cabos de sustentação da cúpula pode ter contribuído para a queda da plataforma sobre o prato refletor.

A enorme plataforma pesava 900 toneladas e ficava suspensa no ar através de três dúzias de cabos de suporte. O início do colapso do telescópio de Arecibo aconteceu em agosto de 2020, quando um desses cabos escapou do soquete. Desde então, engenheiros começaram a investigar os problemas que teriam causado aquela falha. Cerca de três meses depois, um segundo cabo se rompeu, pouco antes de toda a estrutura suspensa desabar no dia 1º de dezembro. Embora ainda não haja uma conclusão oficial, as equipes forenses já têm alguns palpites para cada uma das duas falhas nos cabos de sustentação.

Um dos times trabalha nos cabos auxiliares — são 12, no total, adicionados em 1997, quando o observatório instalou a cúpula abaixo da plataforma de instrumentos. Segundo Francisco Cordova, diretor do observatório, o problema estava ali desde a instalação dos componentes. Ele comunicou que a investigação preliminar descobriu um erro de fabricação nesses cabos. “O procedimento de encaixe não foi feito de forma adequada, e isso levou à degradação avançada daquele elemento estrutural", explicou o diretor, referindo-se ao incidente de agosto.

Esquema simplificado do telescópio, com detalhes dos elementos danificados (Imagem: Reprodução/C. Bickel/Rhys Taylor/Www.Rhysy.Net)
Esquema simplificado do telescópio, com detalhes dos elementos danificados (Imagem: Reprodução/C. Bickel/Rhys Taylor/Www.Rhysy.Net)

A segunda equipe forense investiga os cabos principais, instalados na construção do equipamento original, no início da década de 1960. Foi um desses cabos principais que se partiu em novembro, mas ainda não parece haver muitas informações para compartilhar sobre essa falha em particular. Aliás, Cordova afirma que talvez não haja uma resposta simples para explicar o desastre. Ele lembra que os últimos anos foram de muitas turbulências para Porto Rico, citando alguns eventos como o furacão Maria, que atingiu a ilha em 2017, e os mais de 10 terremotos ocorridos só em 2020.

“Basicamente, estávamos tremendo o tempo todo; isso certamente pode ter sido um fator”, disse Cordova, sugerindo que uma soma de vários fatores levaram ao colapso do telescópio. “Isso ainda está sendo analisado pelas equipes de engenharia”, concluiu.

Enquanto as investigações acontecem, os engenheiros do local separam os detritos que podem ser importantes para os exames forenses e para a posteridade. É que o pessoal do observatório pretende avaliar quais podem ter relevância histórica, então tudo será separado e analisado. Além disso, os elementos que possuem componentes prejudiciais ao meio ambiente foram removidos. Um relatório sobre as investigações deve estar pronto em fevereiro, de acordo com a solicitação do Congresso dos EUA.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: