Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,91 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,62 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,96
    -0,65 (-0,90%)
     
  • OURO

    1.753,90
    -2,80 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    47.354,58
    -1.009,61 (-2,09%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.193,48
    -32,05 (-2,62%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,44 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.963,64
    -63,84 (-0,91%)
     
  • HANG SENG

    24.920,76
    +252,91 (+1,03%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,71 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.282,75
    -226,75 (-1,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1994
    +0,0146 (+0,24%)
     

Observatório ALMA agora é capaz de observar a "infância" do universo

·1 minuto de leitura

Em breve, os astrônomos terão a oportunidade de estudar sinais de rádio emitidos na época da reionização do universo, ou seja, quando o cosmos tinha menos de 1 bilhão de anos. É que os novos receptores do radiotelescópio Atacama Large Millimeter/sub-millimeter Array (ALMA) acabam de “abrir os olhos” pela primeira vez, em um teste bem sucedido, aumentando os comprimentos de onda que o ALMA pode observar.

Um novo conjunto de receptores captam ondas de rádio com comprimentos entre 6 e 8,5 mm, o que permitirá aos astrônomos observar o universo primordial e desvendar como os planetas se formam. Até então, os oito dos dez receptores planejados (bandas 10 a 3) cobriam os comprimentos de onda entre 0,3 e 3,6 mm.

(Imagem: Reprodução/ESO/B. Tafreshi)
(Imagem: Reprodução/ESO/B. Tafreshi)

A nova faixa entre 6 e 8,5 cm é ideal para estudar dois alvos científicos: a época da reionização, que foi quando as primeiras estrelas se formaram e encheram o cosmos com radiação de alta energia, e os grãos de poeira em regiões de formação de estrelas e discos protoplanetários. Este segundo tipo de estudo dará mais informações sobre os processos que levam à formação de planetas, asteroides, cometas e luas.

Por fim, o conjunto final de receptores do ALMA já estão em andamento. Recentemente, os administradores do observatório assinaram um contrato para o desenvolvimento do conjunto, que será liderado por um consórcio de instituições europeias. Os novos receptores compõem a banda 1, enquanto o último a ser instalado formará a banda 2.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos