Mercado abrirá em 5 h 24 min

Obra de Tarsila Amaral 'apreendida' na Lava Jato é vendida por mais de R$ 50 milhões

Redação Notícias
·2 minuto de leitura
A obra "A caipirinha" foi pintada por Tarsila em 1923, durante uma viagem que ela fez à França (Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil)
A obra "A caipirinha" foi pintada por Tarsila em 1923, durante uma viagem que ela fez à França (Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil)

O quadro “A Caipirinha”, da artista brasileira Tarsila do Amaral, foi vendido por R$ 57,5 milhões nesta quinta-feira (17). A obra pertencia ao empresário Salim Taufic Schahin, investigado na Operação Lava Jato, e foi a leilão por decisão judicial. O comprador da arte é brasileiro, mas não teve o nome divulgado.

Os lances começaram altos: R$ 47.613.848,66. A disputa entre três colecionadores, porém, durou apenas 15 minutos. Arrematado por R$ 57,5 milhões, o quadro foi a obra mais cara de um artista brasileiro em uma venda pública.

Leia também

No entanto, o valor ainda é menor do que os US$ 20 milhões — cerca de R$ 75 milhões na época — que o MoMA (Museu de Arte Moderna de Nova York) teria desembolsado por outra tela de Tarsila, “A Lua”. Os valores são estimados, pois o montante não foi divulgado oficialmente, segundo o jornal Poder 360.

Criada por Tarsila em 1923, quando ela morava com o poeta Oswald de Andrade em Paris, "A Caipirinha" pode ser considerada "a primeira obra realmente moderna do país”, segundo o diretor da casa de leilões Bolsa de Arte de São Paulo, Jones Bergamin.

Investigado faliu

O leilão da obra foi determinado depois que bancos entraram com uma ação na Justiça que exigia a venda de diversos itens de arte do empresário Salim Taufic Schahin. O empresário milionário faliu em 2018.

O filho de Schahin alegou que o quadro tinha sido doado ao pai e, por este motivo, rogou ao STJ (Supremo Tribunal de Justiça) tutela provisória para suspender o leilão. O pedido foi negado no início deste mês.

O juiz do órgão, por sua vez, decidiu determinar o bloqueio do dinheiro obtido no leilão na conta do TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo) até que haja o julgamento de mérito do recurso.