Mercado fechado
  • BOVESPA

    125.052,78
    -1.093,88 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,45
    +27,94 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,17
    +0,26 (+0,36%)
     
  • OURO

    1.802,10
    -3,30 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    34.480,41
    +699,32 (+2,07%)
     
  • CMC Crypto 200

    786,33
    -7,40 (-0,93%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,20 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    27.321,98
    -401,86 (-1,45%)
     
  • NIKKEI

    27.548,00
    +159,80 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.091,20
    +162,75 (+1,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1216
    +0,0014 (+0,02%)
     

Obra de Churchill que decorava superiate de Onassis vai a leilão em Nova York

·2 minuto de leitura
Jean-Paul Engelen, vice-presidente da casa de leilões Phillips, ao lado da pintura de Winston Churchill "The Moat, Breccles", em 18 de junho de 2021, em Nova York

Um dos maiores homens de Estado do século 20, uma estrela da elite e o primeiro superiate da história: a paisagem pintada por Winston Churchill que será leiloada em Nova York na quarta-feira é um coquetel dos três ingredientes.

A pintura a óleo intitulada "The Moat, Breccles", de 1921, foi estimada pela casa de leilões Phillips entre 1,5 e 2 milhões de dólares, longe dos 11,6 milhões alcançados por outro quadro do "velho leão" vendido por Angelina Jolie na Christie's em março.

Mas a paisagem que Churchill mencionou em um ensaio de dezembro de 1921 chamado "A pintura como passatempo" pode interessar a fãs de história ou celebridades, em uma época em que há um maior interesse pelas obras do grande herói da Segunda Guerra Mundial.

Churchill manteve a pintura por 40 anos antes de oferecê-la em 1961 a seu amigo e magnata da navegação Aristóteles Onassis, quatro anos antes de sua morte, explicou à AFP Jean-Paul Engelen, vice-presidente da Phillips.

O riquíssimo dono de estaleiros ficou tão orgulhoso com seu presente que o pendurou em um lugar de honra, atrás de seu célebre bar Ari's em seu iate, ao lado de obras de Vermeer, Gauguin, El Greco e Pissarro.

O superiate batizado de "Cristina", em homenagem à filha de Onassis, era uma ex-fragata da marinha canadense com cerca de 100 metros de comprimento, que havia participado dos desembarques da Normandia antes do empresário comprá-lo após a guerra por 34 mil dólares.

Onassis o renovou luxuosamente a um custo de cerca de 4 milhões de dólares, transformando-o em "uma das estruturas flutuantes mais incríveis" e um dos locais favoritos da elite na época, disse Engelen.

De Elizabeth Taylor a John F. Kennedy, passando por Maria Callas e Richard Burton, Grace Kelly e o príncipe Rainier, todas as celebridades da época conheciam a embarcação.

Onassis morreu em 1975, sete anos após seu casamento com Jackie Kennedy. Seu iate foi vendido e tudo que estava lá dentro foi guardado. Os herdeiros decidiram recentemente vender a pintura.

Para atrair compradores em potencial, Phillips reconstituiu em seu estabelecimento em Nova York o bar Ari's, incluindo imitações de seus famosos dentes de baleia, e encheu as prateleiras com garrafas do champanhe Pol Roger, o favorito de Churchill.

cat/lbc/ll/ic

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos