Mercado abrirá em 17 mins
  • BOVESPA

    106.858,87
    +1.789,18 (+1,70%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.605,56
    +8,27 (+0,02%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,63
    +2,14 (+3,08%)
     
  • OURO

    1.782,50
    +3,00 (+0,17%)
     
  • BTC-USD

    51.418,12
    +3.911,03 (+8,23%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.329,11
    +68,95 (+5,47%)
     
  • S&P500

    4.591,67
    +53,24 (+1,17%)
     
  • DOW JONES

    35.227,03
    +646,95 (+1,87%)
     
  • FTSE

    7.319,65
    +87,37 (+1,21%)
     
  • HANG SENG

    23.983,66
    +634,28 (+2,72%)
     
  • NIKKEI

    28.455,60
    +528,23 (+1,89%)
     
  • NASDAQ

    16.131,25
    +288,50 (+1,82%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4135
    -0,0101 (-0,16%)
     

Obama participará da cúpula do clima em Glasgow e se reunirá com jovens ativistas

·1 min de leitura
Ex-presidente dos EUA, Donald Trump

Por Valerie Volcovici

WASHINGTON (Reuters) - O ex-presidente dos Estados Unidos Barack Obama viajará para Glasgow, na Escócia, em novembro para participar da cúpula do clima COP26, onde se encontrará com jovens ativistas e abordará a ameaça das mudanças climáticas, disse sua porta-voz nesta sexta-feira.

"Ele apresentará o importante progresso feito nos cinco anos desde que o Acordo de Paris entrou em vigor, destacará a liderança dos jovens em todo o mundo e solicitará ações mais robustas de todos nós -- governos, setor privado, filantropia e a sociedade civil", disse Hannah Hankins, porta-voz do 44º presidente dos Estados Unidos.

A notícia da presença de Obama em Glasgow ocorre no momento em que o presidente Joe Biden pretende ganhar ímpeto antes da cúpula de 31 de outubro a 12 de novembro. Biden confirmou na quinta-feira que estará presente na abertura da cúpula depois de participar da reunião do Grupo dos 20 em Roma.

A Casa Branca disse que levará 13 autoridades de alto escalão e membros do gabinete para a reunião, demonstrando engajamento de "todo o governo" para lidar com a mudança climática.

Desde que voltou a aderir ao Acordo de Paris, quando Biden assumiu o cargo em janeiro, o governo norte-americano estabeleceu uma meta de reduzir as emissões de gases de efeito estufa em 50% a 52% ao longo desta década.

Mas Biden corre o risco de chegar a Glasgow sem muito progresso a mostrar. Muita coisa depende da aprovação do Congresso dos EUA para projetos de infraestrutura e orçamentos essenciais que estabeleçam metas de energia limpa.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos