Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.232,74
    +1.308,56 (+1,22%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.563,98
    +984,08 (+1,98%)
     
  • PETROLEO CRU

    114,33
    +0,13 (+0,11%)
     
  • OURO

    1.825,70
    +11,70 (+0,64%)
     
  • BTC-USD

    29.963,65
    -727,31 (-2,37%)
     
  • CMC Crypto 200

    671,57
    +428,89 (+176,73%)
     
  • S&P500

    4.008,01
    -15,88 (-0,39%)
     
  • DOW JONES

    32.223,42
    +26,76 (+0,08%)
     
  • FTSE

    7.464,80
    +46,65 (+0,63%)
     
  • HANG SENG

    20.340,55
    +390,34 (+1,96%)
     
  • NIKKEI

    26.661,65
    +114,60 (+0,43%)
     
  • NASDAQ

    12.329,50
    +84,75 (+0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2697
    -0,0108 (-0,20%)
     

O Twitter poderá se tornar mais rentável com Elon Musk?

Desde sua entrada na bolsa em 2013, o Twitter foi rentável apenas de forma esporádica. Sua compra por Elon Musk oferece perspectivas financeiras mais positivas para a rede social?

Em meados de abril, o bilionário afirmou durante uma entrevista na conferência Ted2022 que sua decisão de comprar a empresa não tem motivações econômicas.

"Não é uma forma de ganhar dinheiro", defendeu o CEO da Tesla. "Tenho simplesmente uma forte intuição de que ter uma plataforma pública e aberta à maior quantidade de pessoas é extremamente importante para o futuro de nossa civilização", garantiu.

Na New York Stock Exchange há pouco menos de 9 anos, o Twitter teve perdas todos os anos, exceto em 2018 e 2019, quando o grupo obteve pouco mais de US$ 1 bilhão de lucro.

Comprada por Musk por 44 bilhões de dólares, é uma empresa modesta em relação ao Facebook, cuja capitalização na bolsa é de mais de 500 bilhões de dólares.

As receitas do Twitter vêm principalmente da publicidade, mas a plataforma não atrai usuários da Internet em volume suficiente para obter receitas significativas.

No final de 2021, o Twitter tinha 217 milhões de usuários "monetizáveis", ou seja, expostos à publicidade na plataforma, bem longe dos quase 2 bilhões de usuários do Facebook.

O Twitter publicará na quinta-feira seus resultados do primeiro trimestre. Wall Street prevê um lucro de três centavos por ação e um faturamento de 1,2 bilhão de dólares.

- Financiamento -

Mesmo que a rentabilidade não pareça ser a prioridade de Elon Musk, o homem mais rico do mundo buscará no mínimo não perder dinheiro, em particular porque parte da compra será financiada com recursos próprios.

Em um documento apresentado às autoridades reguladoras do mercado na semana passada, o empresário disse contar com 46,5 bilhões de dólares: 21 bilhões de sua fortuna pessoal e o restante de empréstimos do banco Morgan Stanley e um grupo bancário formado pelo Société Générale e o BNP Paribas.

Musk não detalhou como planeja aumentar o faturamento do Twitter, exceto por um tweet no que sugere baixar o preço da versão paga da rede, Twitter Blue, atualmente de 2,99 dólares mensais; conceder uma conta certificada para assinantes pagantes e suprimir a publicidade para esses usuários.

Pouco depois apagou a mensagem.

Outro caminho seria reduzir o número de funcionários do Twitter, o que poderia ir ao encontro de seu desejo de aliviar a moderação do conteúdo na plataforma.

No final de 2021, o grupo californiano contava com 7.500 funcionários no mundo. Segundo um estudo da escola de comércio da New York University, o Twitter empregava em 2020 cerca de 1.500 moderadores.

Também poderia buscar aumentar o crescimento do número de usuários e as receitas de publicidade, ou desenvolver novos recusos pagos na plataforma.

"Tem seu próprio plano em mente", garante Angelo Zino, analista da CFRA. “Se você puder implementar um modelo com ofertas de assinatura, mantendo as opções gratuitas, pode funcionar”, afirmou.

- Endividamento -

Ao financiar uma parte importante da compra com créditos, Musk aumentará o nível de endividamento do Twitter.

A agência de classificação financeira S&P indicou na segunda-feira que poderá abaixar a nota de crédito da rede social, atualmente em BB+, e colocá-la em uma perspectiva negativa.

Para Zino, a principal interrogação não é tanto sobre a dívida do Twitter mas sim como será feito o aporte pessoal de Musk.

O bilionário poderia se associar a outros investidores para não comprometer parte de sua fortuna.

"Se ele conseguir trazer outros espíritos brilhantes" para a empresa, "provavelmente aumentará suas chances de sucesso", concluiu Zino.

dho/juj/lum/mr/rsr/gf/mvv

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos