Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.941,68
    -160,32 (-0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.599,38
    -909,02 (-1,73%)
     
  • PETROLEO CRU

    85,82
    +0,68 (+0,80%)
     
  • OURO

    1.834,30
    +2,50 (+0,14%)
     
  • BTC-USD

    36.047,27
    +903,85 (+2,57%)
     
  • CMC Crypto 200

    870,86
    +628,18 (+258,85%)
     
  • S&P500

    4.397,94
    -84,79 (-1,89%)
     
  • DOW JONES

    34.265,37
    -450,03 (-1,30%)
     
  • FTSE

    7.494,13
    -90,88 (-1,20%)
     
  • HANG SENG

    24.965,55
    +13,25 (+0,05%)
     
  • NIKKEI

    27.522,26
    0,00 (0,00%)
     
  • NASDAQ

    14.537,75
    +111,25 (+0,77%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1812
    -0,0088 (-0,14%)
     

Desigualdade em alta: Renda média dos 10% no topo é 29 vezes maior que a dos 50% na base da pirâmide

·3 min de leitura
  • Pesquisa mostra alta concentração de renda nos 10% mais ricos do país

  • 50% da base produtiva ganha o equivalente a menos de um salário mínimo por mês

  • Por outro lado, riqueza privada no país aumentou

Apesar de avanços nas últimas décadas, a desigualdade de renda no Brasil ainda se mostra persistente. No país, os 10% mais ricos do país têm renda média 29,25 vezes menor que os 50% mais pobres da população.

A renda nacional média da população adulta brasileira é de € 14.000, cerca de R$ 43.680 por ano. Os 50% da base ganham em média € 2.800, o equivalente a R$ 8.800 (menos de um salário mínimo por mês), e os 10% mais ricos recebem em média € 81.900, ou R$ 255.760 no período de doze meses.

Esses e outros dados estão no relatório “Desigualdade Mundial”, divulgado nesta terça-feira e produzido pelo laboratório de mesmo nome que tem o francês Thomas Pikkety (autor do best-seller "O capitalismo no século XXI") como um dos seus coordenadores.

Os números são calculados com base na paridade do poder de compra. Nada mais é que uma métrica que compara as moedas de diferentes países através de um índice que mensura o poder de compra.

10% dos brasileiros ficam com quase 60% da renda nacional

Os 10% mais ricos detém 59% da renda nacional total e os 50% da base ficam com cerca de 10%.

Para efeito de comparação, nos Estados Unidos, os 10% capturam 45%, na China, 42%. Se olharmos para os novos vizinhos, esse percentual é de 43% na Argentina e 59% no Chile.

O cálculo considera a quantidade de recursos necessários para adquirir um conjunto de bens e serviços em um país, que pode ser comparada com a de outros.

A renda é medida já levando em conta o pagamento de pensões e outros benefícios, mas antes do pagamento de impostos sobre os rendimentos.

Brasil é exemplo das falhas na distribuição de renda

Para o principal autor do relatório e coeditor do laboratório, Lucas Chancel, o caso brasileiro é exemplar de como as medidas de combate à desigualdade devem ser pensadas de forma a realmente cobrar a conta de quem ganha mais.

— Tivemos um crescimento da renda dos mais pobres desde 2000 muito por causa dos programas sociais. Mas, ao mesmo tempo, o financiamento desses programas não foi feito de uma forma progressiva. O 1% mais rico não foi demandado para financiar esses programas na extensão de sua riqueza. A classe média contribuiu muito e o 1% ficou intocável.

Riqueza privada aumenta

Se olharmos para a riqueza privada, os valores também mostram a concentração de capital existente no país.

A proporção da riqueza privada do país em relação à renda nacional vem crescendo, ainda que de forma mais lenta do que em países como China e Índia.

Sobre a situação brasileira, Chancel complementa:

— A mensagem geral é que programas sociais são chave, mas taxas progressivas para financiar esses programas são tão importantes quanto.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos