Mercado fechado

O que você precisa saber para começar a segunda-feira

Juan Karita/AP

A crise na Bolívia já supera os 20 mortos em confrontos entre partidários de Evo Morales e a polícia; o ex-presidente Fernando Collor diz que Bolsonaro repete erros que levaram ele próprio ao impeachment, em 1992; o papa Francisco almoça com 1500 moradores de rua no Vaticano; ex-piloto Tuka Rocha é terceira vítima fatal de acidente aéreo no litoral da Bahia.

Veja aqui o que você precisa saber para começar a segunda-feira:

Mais de 20 mortos na Bolívia

O número de mortos em quase um mês de manifestações na Bolívia chegou a 23, de acordo com o balanço mais recente da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), que denunciou como "grave" um decreto do governo interino que autoriza os militares a controlar a ordem pública, ao mesmo tempo que isenta os oficiais de responsabilidades penais. Ao mesmo tempo que enviado da ONU começou a tomar contato com autoridades do governo interino de Jeanine Áñez e organizações sociais para restaurar a paz no país, a CIDH aumentou de cinco para nove o número de mortos nos confrontos entre camponeses e forças combinadas do exército e da polícia na sexta-feira na cidade rural de Cochabamba.

Ex-piloto de Stock Car não resiste e morre

Tuka Rocha, com longa passagem pela Stock Car, não resistiu aos ferimentos sofridos durante acidente aéreo no sul da Bahia, em Maraú. Atendido com 80% do corpo queimado e complicações pulmonares, o piloto de 36 anos morreu nesse domingo (17) em Salvador. Rocha, assim, é a terceira morte confirmada no acidente aéreo de Maraú. As outras vítimas são Marcela Brandão Elias, 37, que não resistiu e morreu pouco após o impacto, e Maysa Marques Mussi, 27, que também morreu nesse domingo. Ao todo, eram dez passageiros, incluindo o filho de seis anos de Marcela.

Collor vê seu passado à frente de Bolsonaro

O ex-presidente e ex-senador por Alagoas Fernando Collor de Mello comparou o atual presidente, Jair Bolsonaro (PSC), a si mesmo em entrevista ao jornal O Globo.Alagoas Fernando Collor de Mello comparou o atual presidente, Jair Bolsonaro (PSC), a si mesmo em entrevista ao jornal O Globo. Para Collor, Bolsonaro repete erros que levaram à sua deposição. "Continuando do jeito que está, não vejo como este governo possa dar certo", afirmou. "São erros primários", classificou.

Bolsonaro light nas redes

Os perfis do presidente Jair Bolsonaro no Twitter, Facebook e Instagram eram bastante ativos até o início desta semana. Na terça-feira (12), o vereador Carlos Bolsonaro desativou todas as suas redes sociais, parando também de publicar nas contas do pai, evidenciando assim sua forte atividade nelas. O presidente mantinha uma média de 13 postagens por dia no Twitter, por exemplo. Entre elas, destaque para feitos do governo, entrevistas e ironias. Após a saída de Carlos, possivelmente motivada pela chegada da CPI da Fake News, onde deverá ser convocado para depoimento, o ritmo de postagens diminuiu.

Papa almoça com 1.500 moradores de rua

O papa Francisco recebeu 1.500 moradores de rua nesse domingo no Vaticano para um almoço e criticou a indiferença da sociedade ante os mais desfavorecidos, no dia em que a Igreja católica celebra a Jornada Mundial dos Pobres."Meus pensamentos vão para aqueles que promovem iniciativas de solidariedade para dar esperanças concretas aos mais desfavorecidos", disse o pontífice na praça de São Pedro, antes do almoço."Eu vi recentemente estatísticas sobre a pobreza. Isto nos faz sofrer, pela indiferença da sociedade ante os pobres", completou.

Maré alta dá trégua em Veneza

Destruída pelas inundações há uma semana, Veneza sofreu com uma nova maré alta nesse domingo, um pouco menor que as últimas, e foram emitidos alertas para Florença e Pisa devido às chuvas incessantes que atingem o sul da Itália. A "acqua alta", ou maré alta, alcançou 1,50 m neste domingo, longe do seu pico de 1,87 m que atingiu a "Sereníssima", como a cidade é conhecida, na terça.