Mercado fechado

O que você precisa saber e acompanhar nesta quarta

Aqui estão as notícias para você começar o dia Brasil vira o maior mercado da Heineken

O mercado brasileiro foi um dos principais destaques do resultado do quarto trimestre da cervejaria holandesa Heineken, com avanço de mais de 10% no volume de vendas no quarto trimestre de 2019, impulsionando o crescimento orgânico de 4,1% no volume de vendas globais da principal concorrente da Ambev nesse período. No ano, o crescimento global foi de 3,1%. Segundo a empresa, o país se tornou o maior mercado da marca principal da companhia, a cerveja Heineken, cujo volume de vendas cresceu 12% no quarto trimestre.

Bloomberg

Cogna fará oferta de R$ 2,56 bi

O grupo de educação Cogna fixou preço de R$ 11 por ação em sua oferta subsequente. O desconto foi de 1,34% sobre a cotação de fechamento, de R$ 11,15. A companhia alocou a oferta base e também o lote adicional. Com isso, a companhia vai captar R$ 2,56 bilhões.

Caixa vai lançar novas medidas de crédito imobiliário

O presidente da Caixa, Pedro Guimarães, anuncia hoje, às 17h, novas medidas do crédito imobiliário para pessoa jurídica.

IBGE divulga Pesquisa Mensal de Comércio de dezembro

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulga às 9h a Pesquisa Mensal de Comércio (PMC) de dezembro. A estimativa média de 28 instituições financeiras e consultorias ouvidas pelo Valor Data é de crescimento de 0,2% no volume de vendas no varejo restrito (que não inclui automóveis e material de construção) em relação a novembro, feitos os ajustes sazonais.

Comissão da Câmara sobre prisão em 2ª instância ouve ministro Moro

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, vai participar de audiência, às 10h, na comissão da Câmara sobre a PEC 199, que trata da volta da prisão após condenação em segunda instância.

Campos Neto concede entrevista à Globo News

O presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, tem despachos internos em Brasília na manhã. Às 17h, recebe Márcio Silva Novaes, diretor nacional corporativo da Rede Record e presidente da Associação Brasileira de Rádio e Televisão (Abratel), na sede do BC, para tratar de assuntos institucionais. Às 23h, concede entrevista ao vivo à Globo News.

Moura Dubeux fixa preço de IPO

A incorporadora Moura Dubeux fixou o preço da oferta pública inicial em R$ 19 por ação, no meio da faixa indicativa, que ia de R$ 17 a R$ 21. A companhia captou R$ 1,25 bilhão na operação — 90% será usado para pagar dívida e 10% para capital de giro.

TCU deve decidir sobre ações de classe especial

O Tribunal de Contas da União (TCU) deve decidir hoje o destino das ações de classe especial nas empresas privatizadas.

Novidades sobre o setor de supermercados

A Associação Brasileira de Supermercados (Abras) realiza hoje, às 11h, em São Paulo, entrevista coletiva para comentar a situação do setor.

TIM tem lucro 45% maior

O lucro líquido da TIM cresceu 45% no quarto trimestre, para R$ 918 milhões. Excluindo os efeitos da norma contábil IFRS 16, o ganho foi de R$ 756 milhões. A receita avançou 3% no período, para R$ 4,6 bilhões.

Lucro da América Móvil cresce 63%

O lucro da empresa mexicana de telecomunicações América Móvil, controladora da Claro, cresceu 63% no quarto trimestre, para 21,2 bilhões de pesos mexicanos (US$ 1,14 bilhão).

Leilão do 5G não deve ter viés arrecadatório

O presidente da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), Leonardo Euler de Morais, disse ontem que já contou com a sinalização positiva do ministro da Economia, Paulo Guedes, para dar andamento à definição de regras do leilão da quinta geração da telefonia móvel (5G) sem o viés arrecadatório.

Romi vê queda de 9,2% no lucro

A Romi lucrou R$ 19 milhões no quarto trimestre, um recuo de 9,2% em relação aos R$ 21 milhões do mesmo período de 2018. O resultado foi prejudicado pela queda de 6,6% da receita operacional líquida. A empresa faz teleconferência às 10h30.

Comgás vê lucro recuar 57%

A Comgás registrou no quarto trimestre lucro líquido de R$ 367,1 milhões, um recuo de 57% em base anual. No quarto trimestre de 2018, a companhia apurou um ganho com o reconhecimento de créditos tributários e encerramento de disputas judiciais, influenciando a base comparativa.

Ouro Fino pode fazer oferta

A Ouro Fino avalia a possibilidade de fazer uma oferta pública de distribuição primária e secundária de ações. Ela informou ainda que o lucro líquido caiu 33% em 2019, para R$ 46,2 milhões.