Mercado fechará em 30 mins
  • BOVESPA

    107.095,22
    +1.052,74 (+0,99%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.263,78
    +358,72 (+0,86%)
     
  • PETROLEO CRU

    42,93
    +0,51 (+1,20%)
     
  • OURO

    1.837,60
    -34,80 (-1,86%)
     
  • BTC-USD

    18.307,71
    -147,04 (-0,80%)
     
  • CMC Crypto 200

    361,87
    +0,44 (+0,12%)
     
  • S&P500

    3.569,71
    +12,17 (+0,34%)
     
  • DOW JONES

    29.482,06
    +218,58 (+0,75%)
     
  • FTSE

    6.333,84
    -17,61 (-0,28%)
     
  • HANG SENG

    26.486,20
    +34,66 (+0,13%)
     
  • NIKKEI

    25.527,37
    -106,93 (-0,42%)
     
  • NASDAQ

    11.899,25
    -6,50 (-0,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4372
    +0,0573 (+0,90%)
     

O que uma invasão hacker teve a ver com a paralisação dos testes da Coronavac

Fidel Forato
·5 minuto de leitura

Na última segunda-feira (9), os estudos clínicos da vacina CoronaVac contra a COVID-19 foram interrompidos pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), devido a um efeito adverso grave. Durante a noite de ontem, o Instituto Butantan — responsável pelos testes do imunizante contra o novo coronavírus (SARS-CoV-2) — afirmou surpresa com a medida. O que aconteceu foi o óbito de um dos voluntários, que, no entanto, não estava relacionado com os efeitos vacina.

Nesta terça-feira (10), a agência detalhou o motivo da interrupção e comentou sobre dificuldades de acesso em seu sistema interno, após invasão hacker ocorrida na semana passada no Ministério da Saúde.

Mesmo que tenham ocorrido falhas na comunicação entre os órgãos, o diretor-presidente da Anvisa, Antônio Barra Torres, explicou que a decisão de suspender a pesquisa de uma vacina contra a COVID-19 foi meramente técnica. Segundo Torres, "as informações [compartilhadas pelo Instituto Butantan sobre o caso] levaram a área técnica a tomar a decisão da interrupção temporária". Além disso, o diretor afirmou não ter tido conhecimento prévio sobre o suicídio do voluntário.

Ação de hackers colaborou para falha de comunicação com a Anvisa e paralisação de testes da vacina (Imagem: Divulgação/ Governo do Estado de São Paulo))
Ação de hackers colaborou para falha de comunicação com a Anvisa e paralisação de testes da vacina (Imagem: Divulgação/ Governo do Estado de São Paulo))

Invasão hacker e vacina contra a COVID-19

Durante a coletiva, o gerente-geral de Medicamentos e Produtos Biológicos da Anvisa, Gustavo Mendes, trouxe mais explicações sobre o caso da paralisação do estudo clínico da vacina.

No dia 6, então, o Instituto Butantan enviou uma informação, a notificação [sobre o evento adverso grave], mas que não chegou à Anvisa por conta de problemas técnicos. Esse evento [a falha das comunicações] ficou conhecido por todos na semana passada, que foi uma situação de hackeamento... Só tivemos conhecimento dessa notificação [do Butantan] no dia 9.

De acordo com Bruno Novaes, gerente-geral de Tecnologia da Informação da ANVISA, "na semana passada, houve um ataque cibernético no governo federal e isso paralisou alguns serviços, o que nos trouxe um alerta máximo aqui na Anvisa. Por motivo de precaução, suspendemos o serviço que é responsável pela notificação dos eventos adversos". Ele ainda esclarece que o sistema da Agência não sofreu nenhum ataque. "Estamos monitorando junto com o Governo Federal, a presidência da República, implementando todas as recomendações previstas pelo CTIR [Centro de Tratamento e Resposta a Incidentes Cibernéticos de Governo]", completou. No entanto, as medidas de proteção impediram que a notificação sobre os estudos da vacina chegassem no dia correto para a Anvisa.

Gustavo Mendes ainda completou:

Ontem [9], nós não tínhamos recebido essas informações [sobre a morte de um voluntário por causa externa a essa pesquisa], não sabíamos se esse efeito adverso tinha sido notificado ou não, mas nós sabíamos, por meio do contato informal com o Ministério da Saúde e com a Conep [Comissão Nacional de Ética em Pesquisa], que existia um evento adverso grave e que teria acontecido em meio ao estudo que não tivemos acesso."

Falha na comunicação teria levado a Anvisa a suspender estudo com a vacina CoronaVac (Imagem: Reprodução/ Karolina Grabowska/ Pexels)
Falha na comunicação teria levado a Anvisa a suspender estudo com a vacina CoronaVac (Imagem: Reprodução/ Karolina Grabowska/ Pexels)

Dessa forma, a agência encaminhou para o Instituto Butantan "um ofício e também um e-mail" solicitando mais informações obre o caso. O retorno dessas questões foi enviado pelo Instituto, às 18h de ontem (9). A partir das respostas, o comitê de especialistas foi convocado para avaliar as informações que tinham sido prestadas. "Nessa avaliação que o comitê procedeu, nós não conseguimos identificar detalhes que pudessem trazer a segurança de que o estudo poderia continuar. Essa decisão foi unânime", confirmou Mendes.

Em outras palavras, a Anvisa considerou que as informações compartilhadas estavam incompletas e decretou a suspensão dos testes. "Não poderíamos cometer o risco de que mais voluntários fossem vacinados sob o risco de termos eventos graves semelhantes. Nós usamos o princípio da precaução. É isso que tem pautado nosso trabalho. Não pode ser desmedida, não pode deixar de ser ponderada, mas na dúvida, não podemos arriscar”, completou o gerente.

Após o caso com a vacina CoronaVac, a Anvisa e o Butantan se reuniram nesta manhã, mas a agência manteve a suspensão do estudo clínico. A justificativa é de que as informações, apesar de terem sido esclarecidas, não foram suficientes. “A posição só será alterada quando tivermos os dados brutos, dados da fonte, e que comprovem a alegação [do suicídio]. Ainda é necessário um olhar do comitê internacional independente”, pontuou Mendes.

Suicídio durante os testes da CoronaVac

Nesta tarde, o presidente do Butantan, Dimas Covas, também garantiu que o evento adverso grave não tinha relação com a vacina CoronaVac. Na ocasião, ele comentou: "Não podemos dar detalhes para vocês, porque isso envolve sigilo e há todo um aspecto ético que nos impede de dar as características do voluntário ou da voluntária. O que afirmamos a vocês é que esses dados estão todos fornecidos para Anvisa".

No entanto, informações sobre a verdadeira causa do óbito do voluntário foram reveladas pela imprensa. De acordo com o boletim de ocorrência (BO) registrado no dia 29 de outubro, em uma delegacia da Zona Oeste de São Paulo, policiais militares foram acionados para verificar a morte de um homem de 32 anos. Em laudo médico emitido pelo Instituto Médico-Legal (IML), a morte do voluntário foi apontada como suicídio, o que descarta ideia de um efeito colateral da vacina CoronaVac.

Até o momento, a Anvisa não deu um prazo para a retomada dos testes com a CoronaVac, mas a expectativa é de que os testes voltem a ocorrer em breve. Isso porque, no mês passado, um voluntário brasileiro da vacina de Oxford morreu, mas o ensaio clínico não chegou a ser interrompido. Afinal, foi verificado que o óbito não tinha relação com o imunizante em testes e o mesmo deve acontecer com a vacina CoronaVac.

Para conferir toda a coletiva de imprensa sobre a interrupção do estudo clínico da vacina CoronaVac, confira o vídeo a seguir:

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: