Mercado fechará em 6 h 48 min
  • BOVESPA

    98.657,65
    +348,53 (+0,35%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    37.655,45
    -221,04 (-0,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    40,88
    +0,05 (+0,12%)
     
  • OURO

    1.905,90
    -5,80 (-0,30%)
     
  • BTC-USD

    11.795,85
    +738,85 (+6,68%)
     
  • CMC Crypto 200

    237,80
    +4,13 (+1,77%)
     
  • S&P500

    3.426,92
    -56,89 (-1,63%)
     
  • DOW JONES

    28.195,42
    -410,89 (-1,44%)
     
  • FTSE

    5.899,63
    +14,98 (+0,25%)
     
  • HANG SENG

    24.569,54
    +27,28 (+0,11%)
     
  • NIKKEI

    23.567,04
    -104,09 (-0,44%)
     
  • NASDAQ

    11.688,25
    +38,00 (+0,33%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6147
    +0,0158 (+0,24%)
     

O que um comercial da Apple de 1984 tem a ver atualmente com Fortnite? Entenda

Claudio Yuge
·5 minutos de leitura

Esta semana ficou marcada com uma grande treta que se arrasta já há alguns anos entre a Epic Games, desenvolvedora do hit Fortnite, e as gigantes Google e Apple. Isso porque a dona do título de battle royale discorda das taxas de 30% cobradas sobre os valores do game na App Store e na Play Store. E esse descontentamento vem escalando para ações judiciais e provocações — cada vez mais ousadas. E uma dessas cutucadas envolve um icônico comercial da Maçã, veiculado em 1984.

Bem, para entender o que aconteceu é preciso remontar aos anos 1980, quando os computadores pessoais invadiram os escritórios e lares em todo o mundo, principalmente nos Estados Unidos — vale destacar que essas máquinas, uma década antes, eram enormes trambolhos, que ocupavam muito espaço. Os PC IBM dominavam o mercado, graças a uma linguagem amigável aos novos usuários da época, a versão do BASIC da Microsoft; e o MS-DOS, que posteriormente incorporou uma interface gráfica, hoje amplamente conhecida como Windows. E isso motivou o início da desavença entre dois jovens gênios da informática: Bill Gates e Steve Jobs.

No início dos anos 1980, Gates, que já tinha cofundado a Microsoft ao lado de Paul Allen, desenvolvia o MS-DOS e mantinha, ao lado de Jobs, um projeto de interface gráfica para esse programa para integrar o vindouro Macintosh. Contudo, depois da adesão do MS-DOS e do Microsoft BASIC pela IBM em um contrato milionário, Gates teria usado ideias compartilhadas com Jobs para lançar o Windows — e assim ampliar ainda mais a vantagem da IBM. Até hoje há controvérsias sobre se Gates “traiu” ou não Jobs, fato é que este ficou uma fera.

Para provar que poderia fazer um sistema operacional melhor, o então temperamental Jobs descartou o que vinha desenvolvendo com Gates e criou o Mac OS (o embrião do macOS), com uma abordagem que se mostrou muito complexa para os usuários de uma indústria que ainda estava aprendendo a trilhar caminhos mais amplos. O que Jobs queria, mesmo à revelia de diretores da Apple, era se afastar ao máximo de algo que lembrasse o Windows.

Assim, quando o Macintosh foi anunciado no Super Bowl de 1984, a ideia era de “se libertar” do domínio dos PCs da IBM. O comercial remete ao livro 1984, de George Orwell, em que a sociedade vive sob um comando totalitário, regido pelas corporações; sem liberdade de escolha para os cidadãos. Era uma forma da Maçã criticar o “monopólio” da concorrente, com uma novidade que poderia revolucionar o padrão vigente.

Contudo,o Mac OS se mostrou de difícil compreensão para os consumidores, que praticamente já precisavam aprender pelo menos uma linguagem de programação para lidar com tarefas simples nas máquinas. O resultado foi o fracasso de vendas do Macintosh e a saída de Jobs da Apple. Mais tarde, com sua nova companhia, a NeXT, Jobs refinou seu sistema, o que o levou de volta à Maçã em meados de 1990, já com uma versão bem mais amigável e eficiente — nos anos 2010, esse software mudaria sua nomenclatura apenas para OS X, em 2012, e seria rebatizado para macOS em 2016.

A ironia do vídeo de Fortnite

Bem, sabendo disso, voltamos para os acontecimentos desta semana. Já faz dois anos que a Epic Games vem realizando ações cada vez mais agressivas em suas críticas ao modelo de negócios praticado pela Apple e Google em suas lojas virtuais. Meses atrás, a desenvolvedora havia dito que encontraria uma forma de driblar as políticas da App Store e da Play Store dentro do próprio sistema. Muita gente ficou se perguntando como isso seria feito e, nesta quinta-feira (13), os jogadores de Fortnite foram notificados sobre a possibilidade de compra de V-bucks (as moedas internas do game) com desconto de 20%. Para isso, era só selecionar a transação direta com Epic Games, com a alternativa na App Store e na Play Store US$ 2 mais cara.

<em>O sistema de pagamento embutido pela Epic Games em Fortnite baixado pela App Store </em><br><em>(Imagem: Reprodução/The Verge)</em>
O sistema de pagamento embutido pela Epic Games em Fortnite baixado pela App Store
(Imagem: Reprodução/The Verge)

A reação da Apple foi imediata, e a do Google veio logo em seguida: as gigantes removeram o Fortnite de suas lojas mobile. E a Epic Games já tinha uma resposta para isso engatilhada. A desenvolvedora fez sua própria versão do comercial da Maçã de 1984, como forma de criticar o “monopólio” que a companhia supostamente impõe com a taxa de 30% sobre os apps de terceiros na App Store — ou seja, chamou a Gigante de Cupertino de hipócrita nas entrelinhas.

Abaixo você vê a comparação do anúncio original e a versão que foi exibida dentro do próprio Fortnite, ironicamente batizada de Nineteen-Eighty Fortnite, com uma óbvia referência ao material veiculado pela Apple no passado:

Como se não bastasse, para deixar ainda mais claro essa mensagem, a Epic Games cita o próprio Jobs em sua ação contra a Apple neste caso. Na primeira página do processo, a desenvolvedora remonta palavras que o cofundador da Maçã proferiu na época do comercial de 1984: “Parece que a IBM quer tudo. A Apple é vista como a única esperança de oferecer à IBM uma concorrência sobre seus lucros… A Big Blue dominará toda a indústria de computadores? Toda a Era da Informação? George Orwell estava certo sobre 1984?”.

Essa briga ainda deve ter muitos capítulos e fica a dúvida: como Jobs reagiria a tudo isso se ainda estivesse vivo?

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: