Mercado abrirá em 7 h 12 min
  • BOVESPA

    128.427,98
    -339,48 (-0,26%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.170,78
    +40,90 (+0,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,17
    +0,09 (+0,12%)
     
  • OURO

    1.776,20
    -7,20 (-0,40%)
     
  • BTC-USD

    32.798,00
    -1.488,82 (-4,34%)
     
  • CMC Crypto 200

    791,39
    -18,81 (-2,32%)
     
  • S&P500

    4.241,84
    -4,60 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    33.874,24
    -71,34 (-0,21%)
     
  • FTSE

    7.074,06
    -15,95 (-0,22%)
     
  • HANG SENG

    28.858,24
    +41,17 (+0,14%)
     
  • NIKKEI

    28.856,65
    -18,24 (-0,06%)
     
  • NASDAQ

    14.298,50
    +35,50 (+0,25%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9255
    -0,0030 (-0,05%)
     

O que significa Open Banking?

·3 minuto de leitura

O Open Banking é uma novidade no sistema financeiro do Brasil que será implantada em 2021. O termo refere-se à padronização do compartilhamento de informações sobre produtos e serviços entre instituições financeiras. O sistema é regularizado pelo Banco Central do Brasil e será utilizado por bancos e fintechs autorizados em quatro fases de implantação, que duram até dezembro desse ano.

Open Banking: como funciona

O Open Banking consiste em um conjunto de regras e tecnologias voltadas para simplificar o compartilhamento de dados entre diferentes instituições financeiras, de forma gratuita e segura. Há uma integração entre os sistemas dessas instituições, permitindo que clientes consigam compartilhar os dados dos produtos e serviços adquiridos entre diferentes plataformas.

De maneira resumida, o Open Banking unifica a maneira de compartilhar os mesmos dados entre bancos e fintechs diferentes. Com esse tipo de sistema, o cliente tem a liberdade de como utilizar suas informações e decide com quais empresas dividi-las, sem a necessidade de abrir uma nova conta. Alguns exemplos de informações que podem ser compartilhadas são dados cadastrais, histórico de transações e serviços adquiridos. Isso pode ser utilizado para consultar serviços e taxas em outros bancos, analisar opções de crédito e fazer portabilidade de forma mais rápida e com menor burocracia.

Lista de benefícios desenvolvida pelo Banco Central do Brasil (Imagem: Divulgação/Banco Central do Brasil)
Lista de benefícios desenvolvida pelo Banco Central do Brasil (Imagem: Divulgação/Banco Central do Brasil)

É uma operação 100% digital e que reforça a transparência entre serviços. Todo esse procedimento é feito de acordo com a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD). Portanto, os dados são compartilhados apenas a partir da autorização do próprio cliente, que pode cancelar ou interromper o uso quando quiser.

Para as instituições financeiras, a grande vantagem do Open Banking é a possibilidade de acessar as informações de clientes em outras empresas, auxiliando no desenvolvimento de produtos e serviços personalizados. Tudo isso será acessado através de uma plataforma única, que agrega todos os dados em uma interface dedicada.

Quem pode participar do Open Banking

Qualquer consumidor que possua acesso aos canais digitais de uma instituição financeira participante pode informar seus dados de produtos e serviços contratados para o Open Banking. Até o momento, são mais de 250 instituições autorizadas pelo Banco Central, incluindo bancos, fintechs, plataformas de pagamento e cooperativas de crédito. Você pode conferir a lista completa clicando aqui.

Open Banking: fases de implementação

O Banco Central do Brasil determinou quatro fases de implementação do sistema de Open Banking no país, com início a partir de 1º de fevereiro desse ano e com última fase prevista para a partir do dia 15 de dezembro. Confira, a seguir, quais são as datas e o que acontece em cada fase.

  • Fase 1 (a partir de 01/02): as instituições participantes disponibilizam informações padronizadas sobre canais de atendimento, produtos e serviços oferecidos. Nessa fase, nenhum dado de cliente é compartilhado;

  • Fase 2 (a partir de 15/07): a partir dessa fase, os clientes podem autorizar o compartilhamento das próprias informações entre as instituições financeiras participantes, incluindo dados cadastrais, cartão de crédito e histórico de transações. Ao mesmo tempo, quem participar do Open Banking poderá receber ofertas e sugestões personalizadas de acordo com os dados. É possível cancelar a autorização a qualquer momento;

  • Fase 3 (a partir de 30/08): a partir desse momento, é possível compartilhar transações de pagamento (débito em conta, transferências por PIX, etc) e encaminhamento de propostas para operação de crédito. O consentimento do cliente é necessário;

  • Fase 4 (a partir de 15/12): na última fase, o Open Banking passará a liberar o compartilhamento de outros serviços mediante a autorização dos clientes. Isso inclui operações de câmbio, seguros, investimentos, entre outras opções. Isso resulta em mais sugestões e serviços financeiros personalizados de acordo com a necessidade de cada cliente. Novamente, é necessário que o consumidor autorize o compartilhamento

Quais são suas expectativas para o Open Banking? Comente!

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos