Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.669,90
    -643,10 (-0,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.627,67
    -560,43 (-1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,34
    -0,26 (-0,44%)
     
  • OURO

    1.744,10
    -14,10 (-0,80%)
     
  • BTC-USD

    59.913,35
    -309,40 (-0,51%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.235,89
    +8,35 (+0,68%)
     
  • S&P500

    4.128,80
    +31,63 (+0,77%)
     
  • DOW JONES

    33.800,60
    +297,00 (+0,89%)
     
  • FTSE

    6.915,75
    -26,47 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    28.698,80
    -309,30 (-1,07%)
     
  • NIKKEI

    29.768,06
    +59,06 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    13.811,00
    +63,25 (+0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7625
    +0,1276 (+1,92%)
     

O que se sabe sobre o bloqueio do Canal de Suez por um navio encalhado

·3 minuto de leitura
Imagem fornecida pela autoridade do Canal de Suez mostra parte do MV Ever Given que encalhou no canal

Um gigantesco navio cargueiro, o "Ever Given", encalhou na terça-feira (23) à noite no Canal de Suez durante uma tempestade de areia, bloqueando um dos trajetos de navegação mais movimentados do mundo.

- Como aconteceu? -

O navio, de 400 metros de comprimento e 220.000 toneladas, desviou de sua rota em meio a fortes rajadas de areia que afetaram o Egito e partes do Oriente Médio.

O "Ever Given", de 59 metros de largura e 60 de altura, de bandeira panamenha mas operado por uma empresa taiwanesa, encalhou no canal, bloqueando toda a navegação entre o Mediterrâneo e o Mar Vermelho nas duas direções.

A empresa que explora o navio, Evergreen Marine Corp, com sede em Taiwan, disse que o Ever Given - que navegava do porto chinês de Yantian rumo a Rotterdam na Holanda - encalhou "provavelmente após ser atingido por uma rajada de vento".

O incidente "aconteceu principalmente devido à falta de visibilidade pelas condições climáticas, enquanto os ventos alcançaram 40 nós (74 km/h), o que afetou o controle do navio", explicou na quarta-feira a autoridade egípcia do Canal de Suez (SCA) em nota.

Segundo Bernhard Schulte Shipmanagement (BSM), a empresa com sede em Singapura encarregada da gestão técnica do navio, os 25 membros da tripulação estão a salvo e não houve poluição ou danos na carga do navio, com uma capacidade de mais de 20.000 contêineres (TEU).

Vários rebocadores e uma draga tentam liberar o gigante dos mares desde quarta-feira pela manhã.

- Quais são as consequências? -

Quase 10% do comércio marítimo internacional passa pelo canal, segundo os especialistas.

Inaugurado em 1869, o canal sofreu desde então várias fases de ampliação e modernização para se adaptar à evolução do comércio marítimo.

Sua construção reduziu drasticamente as distâncias entre a Ásia e a Europa: 6.000 km a menos entre Singapura e Rotterdam, por exemplo.

O canal já foi bloqueado no passado, especialmente durante a crise do Suez em 1956, quando embarcações foram afundadas pelas autoridades egípcias.

Aproximadamente 30 embarcações estão paradas na área de espera no centro do canal, enquanto outras 40 esperam no Mediterrâneo e 30 no Golfo de Suez no Mar Vermelho, segundo o provedor de serviços Leth Agencies.

O incidente está afetando os mercados mundiais do petróleo devido aos atrasos nas entregas. Os preços dispararam na quarta-feira.

"Nunca vimos algo assim", disse Ranjith Raja, chefe de pesquisa de petróleo e marítima do Oriente Médio no fornecedor de dados financeiros Refinitiv, afirmando que é "provável que a paralisação dure vários dias".

- O que vai acontecer? -

A SCA anunciou nesta quinta-feira que o tráfego marítimo está "temporariamente suspenso" até que o "Ever Given" volte ao serviço.

No entanto, a corretora Braemar alertou que "se os rebocadores não conseguirem retirar o navio, é possível que seja necessário retirar os contêineres com guindastes para torná-lo mais leve", o que levaria "dias ou até semanas".

A empresa proprietária do navio, a japonesa Shoei Kisen Kaisha, explicou nesta quinta que é "extremadamente difícil" fazer o navio voltar.

"Não sabemos quanto tempo vai levar" para retirar o navio, disse à AFP Toshiaki Fujiwara, funcionário da Shoei Kisen Kaisha.

burs-fz/emp/bfi/mab/eg/aa