Mercado abrirá em 1 h 20 min
  • BOVESPA

    108.232,74
    +1.308,56 (+1,22%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.563,98
    +984,08 (+1,98%)
     
  • PETROLEO CRU

    115,25
    +1,05 (+0,92%)
     
  • OURO

    1.828,70
    +14,70 (+0,81%)
     
  • BTC-USD

    30.347,23
    +366,85 (+1,22%)
     
  • CMC Crypto 200

    682,34
    +439,66 (+181,17%)
     
  • S&P500

    4.008,01
    -15,88 (-0,39%)
     
  • DOW JONES

    32.223,42
    +26,76 (+0,08%)
     
  • FTSE

    7.530,33
    +65,53 (+0,88%)
     
  • HANG SENG

    20.602,52
    +652,31 (+3,27%)
     
  • NIKKEI

    26.659,75
    +112,70 (+0,42%)
     
  • NASDAQ

    12.501,25
    +256,50 (+2,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3179
    +0,0374 (+0,71%)
     

O que são puérperas e por que elas precisam se vacinar?

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·3 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Puérperas e gestantes podem se vacinar contra a covid-19 no Brasil, inclusive estão aptas para receber doses de reforço dos imunizantes disponíveis. Especialistas e entidades internacionais defendem a importância da imunização deste público.

Vale explicar que puérperas são mulheres que estão passando pelo puerpério. Este é o período pós-parto que se inicia após a saída da placenta — quando a mulher dá à luz — e dura de 40 a 45 dias. Em alguns casos, esse período pode chegar a 60 dias.

Puérperas e gestantes devem se vacinar contra a covid-19 (Imagem: Reprodução/LightFieldStudios/Envato Elements)
Puérperas e gestantes devem se vacinar contra a covid-19 (Imagem: Reprodução/LightFieldStudios/Envato Elements)

Quais vacinas puérperas podem tomar?

"Todas as gestantes e puérperas do MSP poderão dirigir-se às UBSs [Unidades Básicas de Saúde] para imunização da covid-19 com as vacinas Coronavac ou Pfizer", informa instrutivo sobre a vacinação da cidade de São Paulo. A orientação é que, em caso de ausência, "a UBS deve manter lista de espera para convocação".

Entre as vacinas disponíveis no Brasil, é importante observar que tanto a Covishield (AstraZeneca/Oxford) quanto a da Janssen (Johnson & Johnson), por adotarem um vetor viral (vírus) como estratégia de imunização, não são indicadas para este grupo.

“As vacinas com vírus vivo não são recomendadas para grávidas, porque elas, na realidade, podem transmitir doenças infectocontagiosas para o bebê, através da placenta. Isso vale para qualquer tipo de vacina", explicou o ginecologista e obstetra Leopoldo Vieira, do HSANP, quando o país começava a imunizar puérperas e grávida.

Pode continuar amamentando?

De acordo com o Ministério da Saúde, as grávidas e puérperas vacinadas podem amentar os filhos, ou seja, a vacina não vai afetar ou limitar a relação com a criança. "A lactante deve ser orientada a não interromper o aleitamento materno", explica a pasta, em nota técnica. Além disso, "lactantes vacinadas que desejarem doar leite poderão fazê-lo", complementa a Saúde.

Por que é importante se vacinar?

Vacinação de mulher que acabou de dar a luz é importante para evitar casos da covid-19 (Imagem: Reprodução/Ckstockphoto/Envato)
Vacinação de mulher que acabou de dar a luz é importante para evitar casos da covid-19 (Imagem: Reprodução/Ckstockphoto/Envato)

A imunização contra a covid-19 é uma proteção para a mulher que deu à luz, já que está com menor imunidade e, consequentemente, em maior risco. "No Brasil, as mortes maternas associadas à covid-19 acontecem com maior frequência no terceiro trimestre ou no puerpério", informou o Ministério da Saúde, em nota técnica de 2021.

"O simples fato de estar grávida ou estar no puerpério já deixa a mulher com uma dose hormonal muito alta, o que aumenta risco de trombose, se ela já tem algum outro risco. Então, se for uma mulher que tem trombofilia, pegar a covid aumenta ainda mais a chance de trombose, por isso ela entra no grupo prioritário", explicou a uroginecologista Lilian Fiorelli, do Hospital Albert Eistein, para o site A Cidade On.

Além da questão da trombose, a médica lembra que as mulheres, durante o período do puerpério, estão com a imunidade mais baixa. Este é mais um fator de risco, o que aumenta a importância da vacinação para o grupo.

Recomendação internacional

Nos Estados Unidos, o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) emitiu um alerta, em setembro de 2021, recomendando que mulheres grávidas, puérperas ou que planejem engravidar se vacinassem, de forma urgente, contra a covid-19. Isso porque a infecção, durante a gravidez, pode causar riscos para a saúde do filho e também do bebê, como partos prematuros e necessidade de internação em UTI neonatal.

“A OPAS recomenda que todas as mulheres grávidas, após o primeiro trimestre, bem como as mulheres que estão amamentando, recebam a vacina contra a covid-19”, afirmou a diretora da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), Carissa F. Etienne.

“Sabemos que se as mulheres grávidas adoecerem, elas terão um risco maior de desenvolver sintomas graves da covid-19 e precisarão com mais frequência de ventilação e cuidados intensivos, quando comparadas às mulheres que não estão grávidas”, completou Etienne.

Em casos de dúvidas, é sempre importante que a puérpera ou gestante consulte o profissional de saúde que está acompanhando o seu caso para obter informações mais direcionadas e específicas sobre a sua gestação.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos