Mercado abrirá em 9 h 50 min
  • BOVESPA

    112.282,28
    +2.032,55 (+1,84%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.338,34
    +510,21 (+1,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,41
    +0,18 (+0,25%)
     
  • OURO

    1.763,30
    -15,50 (-0,87%)
     
  • BTC-USD

    43.750,47
    +1.512,04 (+3,58%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.097,37
    +56,89 (+5,47%)
     
  • S&P500

    4.395,64
    +41,45 (+0,95%)
     
  • DOW JONES

    34.258,32
    +338,48 (+1,00%)
     
  • FTSE

    7.083,37
    +102,39 (+1,47%)
     
  • HANG SENG

    24.523,66
    +302,12 (+1,25%)
     
  • NIKKEI

    29.639,40
    -200,31 (-0,67%)
     
  • NASDAQ

    15.194,25
    +30,75 (+0,20%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2131
    +0,0043 (+0,07%)
     

O que pode acontece se eu remover um pendrive sem segurança?

·3 minuto de leitura

Muita gente já passou pela seguinte situação: o trabalho está pronto, os arquivos já foram transferidos, e tudo o que resta é retirar o pendrive e guardá-lo no bolso, na mochila ou na gaveta. Porém, muitas vezes uma etapa é ignorada: a de ejetar o dispositivo com segurança no Windows. A função está disponível em diferentes sistemas operacionais basicamente desde a popularização dos computadores, mas depois de todos esses anos, será que ainda é necessário ejetar pendrives e outros dispositivos antes de retirá-los da porta USB?

A resposta correta depende muito do dispositivo que será retirado, assim como de qual sistema operacional se trata. Porém, no caso padrão de um pendrive retirado de um computador/notebook com Windows, provavelmente não é necessário tomar esse cuidado — ainda que seja recomendado.

O que é o Quick Removal

Retirar o pendrive sem ejetar no Windows não deve causar problemas graves (Imagem: TipsMake)
Retirar o pendrive sem ejetar no Windows não deve causar problemas graves (Imagem: TipsMake)

O Windows possui um sistema próprio que evita o corrompimento de arquivos, batizado de Quick Removal. Para entender como ele funciona, antes é necessário saber quais são os reais riscos de retirar um dispositivo antes de desativá-lo por software.

Antes da implantação do Quick Removal, a configuração padrão do Windows para dispositivos externos era a de continuar escrevendo dados de forma contínua. Essas informações não são necessariamente arquivos, mas sim metadados — como por exemplo, datas de adição e modificação de arquivos, ou mesmo outros arquivos em cache. Ou seja, a comunicação com o Windows permanece constante, mesmo que nenhum arquivo esteja sendo transferido e aparentemente nada esteja acontecendo.

O Quick Removal corta essa comunicação, e permite que teoricamente seja seguro retirar o dispositivo externo a qualquer momento — a não ser, claro, que algum arquivo esteja efetivamente em processo de transferência. Essa função já é ativada por padrão desde a atualização de outubro de 2018 do Windows 10.

Mas se o Quick Removal traz mais segurança para a retirada de dispositivos externos, por que ele não foi implementado décadas atrás?

A transferência constante de metadados — que o Quick Removal corta — causa uma melhora geral no desempenho, especialmente na abertura de arquivos e pastas armazenadas em pendrives. Acontece que os últimos anos proporcionaram uma melhoria tão grande na velocidade de leitura e escrita dos componentes de armazenamento que simplesmente deixou de fazer diferença — ou pelo menos uma diferença perceptível na experiência do usuário comum.

Quick Removal é a função que evita maiores problemas com o desligamento abrupto de unidades externas (Imagem: Dignited)
Quick Removal é a função que evita maiores problemas com o desligamento abrupto de unidades externas (Imagem: Dignited)

É obrigatório remover o pendrive com segurança?

O fato de que você não está mexendo nos arquivos não significa que nenhum programa esteja. É muito comum que, por exemplo, o antivírus faça um escaneamento de todos os dados novos que aparecem em seu dispositivo, o que várias vezes acontece de forma discreta e sem a percepção do usuário. Porém, geralmente esses programas não têm a capacidade de causar grandes problemas no caso de desligamentos repentinos. Mesmo assim, essa é a principal razão pela qual é recomendado ejetar com segurança, mas não necessariamente obrigatório.

Uma outra situação envolve os HDs externos. Como eles funcionam com mídia física, a transmissão e escrita de dados acontece de forma bem mais lenta, e portanto ainda podem estar executando alguma função “invisível” um bom tempo depois de a janela de transferência de arquivos sumir da sua tela.

Caso o Quick Removal esteja desabilitado, as transferências de metadados serão interrompidas abruptamente, e os dados podem ser corrompidos. Ou pior, a ação pode causar danos irreversíveis no hardware do armazenamento. Portanto, é sempre bom garantir a ejeção segura e evitar grandes dores de cabeça.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos