Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.316,16
    -1.861,39 (-1,63%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.774,91
    -389,10 (-0,71%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,38
    -1,63 (-2,01%)
     
  • OURO

    1.927,60
    -2,40 (-0,12%)
     
  • BTC-USD

    23.042,40
    -159,39 (-0,69%)
     
  • CMC Crypto 200

    526,66
    +9,65 (+1,87%)
     
  • S&P500

    4.070,56
    +10,13 (+0,25%)
     
  • DOW JONES

    33.978,08
    +28,67 (+0,08%)
     
  • FTSE

    7.765,15
    +4,04 (+0,05%)
     
  • HANG SENG

    22.688,90
    +122,12 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    27.382,56
    +19,81 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.221,00
    +114,25 (+0,94%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5462
    +0,0265 (+0,48%)
     

O que imagens geradas por inteligência artificial dizem sobre nossa criatividade

Recentemente, imagens e textos gerados por inteligência artificial têm chamado a atenção do público nas redes sociais. Entre os especialistas, esse cenário desperta um questionamento acerca da criatividade humana, e leva à crença de que o programa mais famoso do ramo, DALL-E, pode nos ensinar sobre a natureza de nossas próprias propensões inovadoras.

Primeiramente, precisamos entender que esses programas pegam bilhões de bits de texto da internet e traduzem em uma abstração. As imagens também são lidas da internet e associadas às suas legendas e transpostas para as mesmas áreas lógicas. Assim, o texto e as descrições relevantes das imagens, ainda que distintas, são identificadas por fortes associações próximas umas das outras.

Em seguida, os programas geram um conjunto de palavras-chave para descobrir as características que acompanham aquele conceito específico. O próximo passo é chamado de modelo de difusão, que constrói imagens únicas a partir da descrição do texto.

Os especialistas refletem que a maneira como o DALL-E constrói imagens não é totalmente diferente da maneira como o cérebro humano pode armazenar e identificar conceitos e depois traduzi-los. Esses conceitos abstratos nos ajudam a vincular a palavra a uma série de diferentes associações e imagens.

Inteligência artificial faz refletir sobre a criatividade humana (Imagem: DC_Studio/envato)
Inteligência artificial faz refletir sobre a criatividade humana (Imagem: DC_Studio/envato)

Outro pensamento dos especialistas da área é que os modelos como DALL-E têm pelo menos uma coisa em comum com a inteligência humana: funcionam absorvendo muitos exemplos e, em seguida, gerando coisas novas com base em recombinações. Pessoas criativas também absorvem o mundo e então fazem novas versões daquilo que conhecem.

A reflexão dos especialistas é que ainda há uma limitação nesses programas, que não têm como filtrar o que é bom, o que é profundo ou o que é belo, diferente dos seres humanos. A conclusão que fica é que não basta apenas fazer coisas novas. Para ser totalmente criativo, esse programa teria que ser capaz de filtrar essas coisas novas e selecionar as mais relevantes com base em critérios humanos. Por enquanto, DALL-E não pode fazer isso.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: