Mercado abrirá em 4 h 10 min
  • BOVESPA

    111.539,80
    +1.204,97 (+1,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.682,19
    +897,61 (+2,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,92
    +0,17 (+0,28%)
     
  • OURO

    1.726,30
    -7,30 (-0,42%)
     
  • BTC-USD

    50.707,39
    +2.029,69 (+4,17%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.016,50
    +28,40 (+2,87%)
     
  • S&P500

    3.870,29
    -31,53 (-0,81%)
     
  • DOW JONES

    31.391,52
    -143,99 (-0,46%)
     
  • FTSE

    6.689,87
    +76,12 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    29.880,42
    +784,56 (+2,70%)
     
  • NIKKEI

    29.559,10
    +150,93 (+0,51%)
     
  • NASDAQ

    13.174,25
    +119,00 (+0,91%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,8704
    +0,0083 (+0,12%)
     

O que fazer em caso de golpe virtual? Confira dicas de especialistas

AMANDA LEMOS
·5 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Os últimos vazamentos de dados registrados neste ano mostram como é preciso estar atento à segurança digital e a brechas quem podem fazer o internauta cair em novos golpes virtuais. Em janeiro, o dfndr lab, laboratório de cibersegurança da Psafe, registrou um megavazamento que expôs dados de mais de 220 milhões de brasileiros, com nome completo, CPFs, CNPJs, data de nascimento e outras informações. Depois, mais um megavazamento foi registrado. Desta vez dados mais de 100 milhões de contas de telefonia celular foram expostos na deep web, espaço no qual o rastreamento dos computadores usados pelos cibercriminosos é praticamente impossível. E foi descoberto que o perfil do Facebook de 8 milhões de brasileiros estão sendo negociados em um fórum cibercriminoso, segundo o jornal O Globo, em um pacote que inclui ainda número de telefone, sexo, local de residência e de trabalho das vítimas. Com informações de virtualmente toda a população sendo negociadas e milhões de outros dados também à disposição de hackers, é preciso reforçar a segurança digital. Advogados e especialistas recomendam, entre outras dicas, ficar mais atento com qualquer atividade fora do normal, como compras não autorizadas. Ou seja, é preciso conferir com mais frequência extratos de contas bancárias e de cartões de crédito. Confira o que fazer em caso de golpes e como evitar a situação. Fui vítima de um golpe, o que devo fazer? Se observar alguma transação ou compra que não tenha feito, entre em contato imediatamente com o banco e tente bloquear o valor. Este é o primeiro passo recomendado pela Polícia Civil de São Paulo, que lançou neste mês um guia sobre o que fazer em caso de crimes eletrônicos. Em seguida, tire cópia do comprovante de pagamento feito e dos demais documentos correlatos. Com essas informações em mãos, procure a delegacia mais próxima ou registre um boletim de ocorrência eletrônico, que deve ser feito em até 48 horas. Durante a pandemia, as autoridades passaram a reforçar a necessidade de se fazer o BO online. O registro em delegacias especializadas em crimes digitais deve ser reservado para situações mais robustas de invasões de empresas, explica a advogada Fabyola En Rodrigues, sócia de penal empresarial do Demarest. Também é possível checar suas movimentações financeiras, desde informações de empréstimo até chaves cadastradas no Pix, por meio do Banco Central. Basta entrar no site do Registrato e se registrar para ver sua atividade bancária. Administrado pelo BC, o Registrato permite que o cidadão tenha acesso a relatórios com informações sobre seus relacionamentos com as instituições nanceiras, suas operações de crédito e operações de câmbio. O Banco Central afirma que o sistema é rápido e seguro. Como devo me proteger para não cair em golpes virtuais? A troca de senhas deve ser feita com maior frequência, diz a advogada Tatiana Campello, sócia de privacidade de dados, tecnologia e cibersegurança da Demarest. Campello também recomenda usar sequências fortes, com números, caracteres especiais e alternação entre letras maiúsculas e minúsculas. "Ative as notificações de gastos no cartão de crédito e outras ferramentas que podem para verificar com periodicidade suas questões financeiras", lembra a especialista. Também é comum hackers entrarem em contato com uma possível vítima pedindo senhas, confirmações de cadastro e até mesmo dinheiro -como nos casos em que criminosos se passam por uma pessoa conhecida para pedir valores por meio de aplicativos de conversas. Uma boa forma de "desmascarar" um golpista é questioná-lo, explica George Bonfim, advogado especializado em direito digital.. "Ele sempre vai deixar uma brecha. O questionamento direto tende a levar a pessoa a titubear, e ele acaba ficando intimidado". Alguns sites oferecem serviços para que o internauta descubra se seus dados foram vazados. Especialistas, porém, não recomendam seu uso, porque podem servir como isca para a vítima confirmar que existe de fato. E como o primeiro megavazamento expôs dados de mais de 220 milhões de brasileiros -mais que a população do país, portanto estima-se que foram vazadas informações de pessoas que já morreram-, parta do prossuposto que você também foi vítima. "Colando seus dados pessoais [em sites que oferecem serviços de checagem], você pode cair em 'phishing'", diz Bonfim. "Desconfie de links que recebe pelo celular, confira a mensagem antes de clicar e fique atento a ligações que pedem informações pessoais", recomenda o advogado. Quais são os golpes mais comuns? Phishing O criminoso envia links, emails e SMS com mensagens que, na maioria das vezes, exploram emoções (curiosidade, oportunidade única, medo etc.), induzindo a vítima a clicar em links e anexos que pegam dados pessoais ou levam a cadastros que roubam informações. Falso funcionário ou falsa central de atendimento O estelionatário finge ser funcionário de uma instituição financeira e diz estar com problemas de cadastro ou irregularidades na conta. A vítima fornece informações sobre sua conta e, com isso, o bandido realiza transações fraudulentas. Falso motoboy Integrantes de quadrilha ligam para a vítima e dizem pertencerem à central de relacionamento do banco. Afirmam que houve problemas com o cartão da vítima e pedem que ela digite sua senha numérica no teclado do telefone. Na sequência, dizem que enviaram um motoboy na casa da vítima para pegar o cartão. Em posse do cartão e a senha, realizam operações fraudulentas. Pedidos de dinheiro Primeiro, os hackers clonam uma conta de app de mensagens, como o Whatsapp. Na sequência, pedem dinheiro a contatos da vítima se passando por ela. Boas práticas online Evite salvar senhas e número do cartão de crédito em sites de compras ou vinculados ao navegador Busque referências antes de realizar compras online Jamais forneça seus dados pessoais por telefone, redes sociais e aplicativos de mensagens Se notar uma movimentação suspeita, registre imediatamente uma reclamação no banco e nas agências reguladoras do serviço relacionado e faça um boletim de ocorrência