Mercado fechado

O que é 'job crafting', a arte de dar sentido a um emprego chato

Finanças Internacional
·4 minutos de leitura
Foto: Getty Images / Getty Creative
Foto: Getty Images / Getty Creative

Se você acha que passa a maior parte do tempo trabalhando, provavelmente tem razão. Os britânicos dedicam em média impressionantes 3.507 dias ao trabalho durante a vida, sendo 204 deles horas extras, ou seja, mais de 10% da vida toda trabalhando.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Finanças no Google News

Apesar de passar tanto tempo trabalhando, muitas pessoas não gostam do que fazem. De acordo com uma pesquisa da Gallup, de 1 bilhão de trabalhadores em período integral no mundo todo, apenas 15% se sentem engajados na função.

Leia também

É claro que até mesmo os trabalhadores mais satisfeitos ficam entediados de vez em quando, mas esse sentimento constante de insatisfação ou desmotivação com o trabalho, de começar a segunda-feira já esperando pelo fim de semana, pode ser cansativo e frustrante, além de ter um grande impacto sobre a saúde e o bem-estar emocional.

A solução mais óbvia seria mudar de emprego, mas não é tão fácil colocar essa ideia em prática, ainda mais durante uma crise econômica. No entanto, existe outra forma de encontrar sentido e satisfação no trabalho sem precisar pedir demissão: o job crafting.

O que é job crafting?

Job crafting significa tomar medidas proativas para reformular o trabalho por meio da personalização de tarefas, relacionamentos e percepções. Basicamente, a ideia é permanecer no mesmo cargo, mas ajustar alguns elementos em busca de mais satisfação.

O processo costuma se encaixar em uma destas três categorias: crafting de tarefas (ampliar ou alterar as tarefas que o funcionário precisa realizar no trabalho), crafting de relacionamentos (mudar as pessoas com as quais o funcionário interage) e crafting cognitivo (mudar a forma como o funcionário percebe as tarefas e o significado delas).

Em 2012, Amy Wrzesniewski, professora de comportamento organizacional na Faculdade de Administração de Yale, organizou uma pesquisa em um hospital dos Estados Unidos para investigar como os funcionários davam mais sentido ao trabalho.

Ao entrevistar a equipe de limpeza do hospital, os pesquisadores encontraram um grupo de faxineiros que não se consideravam parte da equipe de limpeza, mas sim uma parte importante da equipe terapêutica da instituição. Para eles, o trabalho era significativo e gratificante, não só algo que faziam para pagar as contas.

Quando Wrzesniewski e sua equipe fizeram perguntas sobre o trabalho, esse grupo foi muito além da descrição tradicional das tarefas da função. Além da limpeza, eles interagiam com os pacientes e visitantes para ajudá-los. Um dos faxineiros conversava com os pacientes que não recebiam visitas, e outro organizava as fotos nas paredes dos pacientes em coma porque considerava que isso poderia ter um impacto positivo.

Wrzesniewski percebeu que, embora desempenhassem tecnicamente as mesmas funções que os outros faxineiros, eles encontraram uma forma de tornar o trabalho mais significativo e agradável.

Quais são os benefícios do job crafting?

Dar sentido ao trabalho é muito importante. De fato, a pesquisa sugere que algumas pessoas chegam a valorizar mais o propósito do cargo do que o próprio salário. Além de aumentar a motivação, encontrar esse propósito também é essencial para o bem-estar geral.

No entanto, ao contrário do que muita gente pensa, a carreira não precisa ser a grande paixão de uma pessoa para ter sentido para ela. Com o job crafting, é possível descobrir aspectos mais agradáveis de qualquer trabalho para torná-lo mais gratificante.

Além disso, o job crafting pode ser ainda mais relevante neste momento em que o mundo está enfrentando a maior recessão de todos os tempos por causa da COVID-19, com muitas pessoas precisando recorrer a trabalhos alternativos.

“Criar oportunidades para os funcionários ajustarem aspectos do trabalho é uma forma de atender às demandas atuais e futuras por uma experiência de trabalho personalizada”, declara o CIPD. “Dessa forma, eles têm autonomia para proativamente definir elementos da função ou das tarefas principais do trabalho de acordo com talentos, paixões e interesses pessoais.”

Pode parecer esforço demais para poucos benefícios, mas estudos sugerem que adotar mudanças positivas no trabalho não leva muito tempo. Uma pequena pesquisa do CIPD sobre o tema "micro job crafting" concluiu que mais de 74% dos exemplos de job crafting ocuparam menos de 12 minutos por dia dos funcionários.

Alguns dos exemplos analisados foram se oferecer para participar de um novo projeto, passar cinco minutos por dia aprendendo uma nova habilidade e resolver com uma conversa algum assunto que seria discutido por e-mail. Até mesmo intervalos regulares e reuniões em pé tiveram um impacto positivo sobre os funcionários.

É importante destacar que job crafting não significa mudar completamente de função. A ideia é identificar mais aspectos agradáveis no trabalho que possam aumentar a felicidade, a satisfação e, no fim das contas, a produtividade. Portanto, é uma técnica positiva tanto para os funcionários quanto para os empregadores.

Lydia Smith

Assine agora a newsletter Yahoo em 3 Minutos

Siga o Yahoo Finanças no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube