Mercado fechará em 3 h 10 min
  • BOVESPA

    120.419,76
    +357,77 (+0,30%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.961,33
    +93,71 (+0,19%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,52
    +0,17 (+0,28%)
     
  • OURO

    1.781,40
    -11,70 (-0,65%)
     
  • BTC-USD

    54.860,53
    -1.139,05 (-2,03%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.285,70
    +42,65 (+3,43%)
     
  • S&P500

    4.177,91
    +4,49 (+0,11%)
     
  • DOW JONES

    34.109,45
    -27,86 (-0,08%)
     
  • FTSE

    6.938,24
    +42,95 (+0,62%)
     
  • HANG SENG

    28.755,34
    +133,42 (+0,47%)
     
  • NIKKEI

    29.188,17
    +679,62 (+2,38%)
     
  • NASDAQ

    13.936,50
    +17,25 (+0,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5946
    -0,1074 (-1,60%)
     

O que é genocídio?

Redação Notícias
·1 minuto de leitura

Você deve ter visto o termo “genocida” com muita frequência nas redes sociais ultimamente. Mas você sabe o que ele realmente significa ?

A palavra é usada para se referir à prática de extermínio de determinados grupos, seja por motivos religiosos, ideológicos, étnicos, ou de nacionalidade.

Veja também

A prática do genocídio é antiga na história da nossa civilização, mas o termo foi usado primeira vez só em 1944, pelas mãos do advogado judeu Raphael Lemkin. Em seu livro “Domínio do Eixo na Europa Ocupada”, Lemkin utilizou a palavra para descrever as atrocidades cometidas pelo regime nazista durante o Holocausto, quando mais de 17 milhões de pessoas foram dizimadas.

Para formar esse neologismo, ele juntou as palavras gregas genos, que significa “raça”, e cide, que significa matar.

Em 1948, a então recém-criada ONU passou a considerar o genocídio um crime contra a humanidade, julgado pela Corte Penal Internacional de Haia, na Holanda.

Entre os genocidas condenados pela história, o ditador comunista Mao Zedong levou mais de 60 milhões de chineses à morte entre 1958 e 1969.

Outro genocídio de grandes proporções aconteceu em Ruanda, em 1994. Milícias da etnia Hutu mataram 800 mil pessoas da etnia tutsi.

As páginas da História são pintadas à sangue e, infelizmente, sempre há uma página em branco para ser preenchida.