Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.487,88
    +1.482,88 (+1,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.518,30
    +228,40 (+0,45%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,35
    +0,46 (+0,42%)
     
  • OURO

    1.845,10
    +3,90 (+0,21%)
     
  • BTC-USD

    30.080,98
    +613,26 (+2,08%)
     
  • CMC Crypto 200

    650,34
    -23,03 (-3,42%)
     
  • S&P500

    3.901,36
    +0,57 (+0,01%)
     
  • DOW JONES

    31.261,90
    +8,80 (+0,03%)
     
  • FTSE

    7.389,98
    +87,24 (+1,19%)
     
  • HANG SENG

    20.717,24
    +596,56 (+2,96%)
     
  • NIKKEI

    26.739,03
    +336,19 (+1,27%)
     
  • NASDAQ

    11.838,00
    -40,25 (-0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1528
    -0,0660 (-1,26%)
     

Bolsa nos EUA tem pior dia em dois anos; entenda o que aconteceu

Bolsa de Valores americana teve seu pior momento desde o início da pandemia de COVID-19
Bolsa de Valores americana teve seu pior momento desde o início da pandemia de COVID-19
  • Mercado financeiro não vivia um momento assim desde o início da pandemia de COVID-19;

  • Efeitos foram sentidos na Bolsa de Valores do Brasil, com o Ibovespa fechando o dia em -2,81%;

  • Recusa de Powell a elevar ainda mais a taxa de juros espantou o mercado.

O mercado financeiro dos Estados Unidos fechou esta quinta-feira na pior queda vista em dois anos. O índice Dow Jones Industrial Average caiu 1.060 pontos, o que anulou a alta de quarta-feira, enquanto o Nasdaq 100 apresentou uma queda de 6%, e o S&P 500 caiu 4%.

Desde 11 de junho de 2020, quando o Dow Jones caiu 1.800 pontos, não se via um momento tão ruim para o mercado financeiro americano. As reverberações foram sentidas por aqui no Brasil, com o Ibovespa chegando a cair 4% até se recuperar um pouco e fechar o dia em -2,81%.

O dólar, por sua vez, subiu em 2,38%, ultrapassando os R$ 5, deixando em segundo plano o reajuste da taxa Selic, pelo Copom (Comitê de Política Monetária) do Banco Central, que tradicionalmente exerceria uma pressão de valorização do real.

O que aconteceu

Esse dia desastroso veio após uma alta na bolsa na quarta-feira, 04 de maio.Na ocasião, o presidente do Banco Central americano (FED), Jerome Powell, anunciou uma alta de 0,5 ponto percentual na taxa de juros do país, como forma de combater a inflação em alta por lá. Ao mesmo tempo, Powell afirmou que não há planos de subir ainda mais a taxa.

Para Rodrigo Lima, analista de investimentos e editor da Stake, plataforma de investimentos nos Estados Unidos, o mercado não reagiu bem à recusa de Powell de elevar ainda mais a taxa.

"Inicialmente o mercado interpretou isso de maneira positiva, com as bolsas subindo vigorosamente logo após este anúncio ontem. Porém hoje os temores de que altas de 50 bps não sejam suficientes para domar a inflação acabaram pressionando os juros para cima, fazendo com que o mercado desabasse e as taxas de juros de 10 anos dos EUA retornassem para acima de 3% a.a.", disse Lima ao Yahoo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos