Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.716,00
    -2.354,48 (-2,06%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.395,94
    -928,98 (-2,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,43
    -4,06 (-4,86%)
     
  • OURO

    1.651,70
    -29,40 (-1,75%)
     
  • BTC-USD

    18.890,02
    -324,75 (-1,69%)
     
  • CMC Crypto 200

    434,61
    -9,92 (-2,23%)
     
  • S&P500

    3.693,23
    -64,76 (-1,72%)
     
  • DOW JONES

    29.590,41
    -486,27 (-1,62%)
     
  • FTSE

    7.018,60
    -140,92 (-1,97%)
     
  • HANG SENG

    17.933,27
    -214,68 (-1,18%)
     
  • NIKKEI

    27.153,83
    -159,30 (-0,58%)
     
  • NASDAQ

    11.388,00
    -177,50 (-1,53%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,0976
    +0,0649 (+1,29%)
     

O que a baixa umidade do ar pode provocar na saúde humana?

Quando a umidade relativa do ar é muito baixa, além de haver consequências para o clima e o meio ambiente, nosso corpo também enfrenta problemas. A umidade baixa aumenta a chance de incêndios, a eletricidade estática de pessoas e objetos a pode ser muito desconfortável, gerando incômodos respiratórios, oculares e até mesmo dermatológicos.

Quando o clima está com umidade baixa demais, o meio ambiente é afetado negativamente, mas nosso corpo também, se não tomarmos cuidado (Imagem: Mitchell Orr/Unplash)
Quando o clima está com umidade baixa demais, o meio ambiente é afetado negativamente, mas nosso corpo também, se não tomarmos cuidado (Imagem: Mitchell Orr/Unplash)

Como se define a baixa umidade

A umidade relativa do ar mede a quantidade de vapor d’água atmosférica em relação à saturação do vapor disponível no ambiente — em outras palavras, quanta água em estado gasoso há no ar em relação ao máximo que poderia haver na temperatura atual.

Em níveis de umidade menores, a amplitude térmica — diferença entre a maior e menor temperatura em um certo período — tende a ser maior, tornando os dias muito quentes e as noites bem frias. Nota-se que a umidade alta demais também não é salutar, já que quanto mais úmido o ar, mais lenta é a evaporação do suor, que ajuda a resfriar o corpo com a dissipação de calor.

A Organização Mundial de Saúde (OMS), considera que a umidade ideal para o corpo humano fica entre 40% e 70%, mas abaixo de 60% a situação já começa a merecer atenção. A umidade costuma baixar entre o final do inverno e início da primavera, das 12 às 16 horas, retornando a aumentar no verão.

As vias aéreas estão entre as partes do corpo mais afetadas pela baixa umidade (Imagem: Gpointstudio/Envato Elements)
As vias aéreas estão entre as partes do corpo mais afetadas pela baixa umidade (Imagem: Gpointstudio/Envato Elements)

Impactos da baixa umidade do ar na saúde

Diversos sintomas podem acometer o nosso organismo quanto a umidade está baixa demais. Elencando alguns dos sistemas corporais afetados, temos:

  • Sintomas respiratórios;

  • Sintomas dermatológicos;

  • Sintomas oftalmológicos;

  • Sintomas cardiovasculares;

As vias respiratórias estão entre as partes mais afligidas do corpo, sofrendo com a desidratação e apresentando ressecamento e sangramento de mucosas, reações alérgicas e irritação. A mucosa do nariz, que protege o corpo de infecções, fica muito densa sem água e não limpa as vias com tanta eficiência.

Há a ocorrência de rinite alérgica e o corpo gera coriza e espirros na tentativa de se livrar dos alérgenos, que ficam suspensos no ar por mais tempo na baixa umidade, como poeira, ácaros, pólen, pelos animais e muitos outros. Também pode ocorrer faringite, já que vírus e bactérias se proliferam mais, também causando gripes e resfriados.

Por fim, as membranas dos seios nasais, quando secas, diminuem a drenagem do muco, espalhando micróbios e causando sinusite, inflamando a região. Dor de cabeça, febre, sangramento nasal, pressão na face e coriza espessa podem surgir. Desconforto para respirar, crises de asma e obstrução das vias aéreas também são comuns em umidade reduzida.

Já a pele, no tempo seco, fica mais desidratada, podendo apresentar dermatite, coceira e vermelhidão, o que é piorado pela diminuição da gordura protetora da pele causada pela desidratação. Nos olhos, a membrana conjuntiva pode se ressecar, inflamar ou irritar, gerando dor e coceira, aumentando chances de conjuntivite.

Acredite se quiser, até mesmo o sistema circulatório é afetado pelo clima muito seco, podendo gerar problemas cardiovasculares! (Imagem: Ruwanof/Envato Elements)
Acredite se quiser, até mesmo o sistema circulatório é afetado pelo clima muito seco, podendo gerar problemas cardiovasculares! (Imagem: Ruwanof/Envato Elements)

Com os brônquios mais fechados, também há chances de que o fluxo sanguíneo seja atrapalhado, não chegando aos pulmões com eficiência e forçando o bombeamento de sangue pelo coração, o que o torna mais espesso e facilita o entupimento. Problemas cardíacos e hipertensos, por conta disso, são mais comuns.

Cuidados a serem tomados

Há algumas medidas possíveis para evitar sintomas causados pela baixa umidade, tais como:

  • Manter boa hidratação, bebendo muita água e preferindo frutas com muito líquido;

  • Aplicar soro fisiológico nas narinas e olhos para evitar ressecamento;

  • Não se exercitar entre 10h e 16h;

  • Lavar as mãos frequentemente e evitar o contato com boca e nariz;

  • Utilizar óculos escuros e chapéus ao ar livre;

  • Hidratar pele e rosto com produtos dermatológicos, principalmente depois do banho e antes de dormir;

  • Aproveitar o vapor da água quente do banho para lubrificar as narinas.

Também convém utilizar vaporizadores, recipientes com água ou toalhas molhadas no ambiente, manter a casa limpa e arejada e evitar aglomerações, principalmente em locais fechados ou com ar condicionado. Aspiradores e panos úmidos são preferíveis ao invés de vassouras, para não levantar poeira, e ventiladores devem ser apontados para o alto; para baixo, podem levantar poeira, ácaros e fungos, mais comuns em umidade baixa.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: